Após forte pressão, Seduc homologa matrículas e libera turmas da EJA de Rio Grande


Depois de muita resistência e luta em defesa da Educação de Jovens e Adultos (EJA), a Seduc, por fim, liberou as turmas de Totalidade 7 (T7), que equivalem ao primeiro ano do Ensino Médio, nas Escolas Bibiano de Almeida e Silva Paes, em Rio Grande.

Com a medida, mais de 50 alunos(as) da Silva Paes e 90 da Bibiano de Almeida terão garantido o direito de finalizar seus estudos.

Além da liberação das T7, também houve homologação de turmas nas demais escolas de Ensino Fundamental da região.

A notícia chega após a primeira reunião entre CPERS e a nova secretária da Educação, quando o Sindicato cobrou de Raquel Teixeira a imediata homologação e o fim da supressão de turmas e matrículas.

Mas a conquista é, sobretudo, resultado de intensa luta e mobilização. Desde janeiro, as direções e o 6° Núcleo do CPERS (Rio Grande) vêm denunciando a situação

Articuladas para barrar o desmonte, as comunidades escolares uniram forças, aprovaram uma Moção de Apoio na Câmara Municipal, levaram a situação à CNTE, apresentaram denúncia à Promotoria Regional de Educação e não descansaram até assegurar o direito à educação dos jovens e adultos.

A diretora do 6° Núcleo, Andréa Nunes da Rosa, destaca que a mobilização também ajudou a angariar novos alunos(as). 

“Realizamos uma mobilização intensa aqui na região. Com essa campanha, conseguimos que muitas pessoas, que já haviam até desistido de estudar, procurassem as escolas e o número de matrículas nas turmas aumentou”. 

Andréa também destaca que a luta segue: “É importante dizer que seguimos mobilizados. Ainda temos situações graves de multisseriação nas EJAs. Casos juntando até quatro totalidades, três, quatro, cinco e seis, que seriam as referentes do sexto ao nono ano do Ensino Fundamental, todos os alunos numa única turma, e isso é inadmissível”.  

Após a reunião com a secretária da Educação, o CPERS também recebeu notícias da homologação de turmas que antes haviam sido negadas em escolas da região do 23º Núcleo (Livramento) e do 13º Núcleo (Osório).

O Sindicato continuará a lutar pelo amplo acesso ao direito à educação e pela homologação de todas as matrículas e turmas solicitadas pelas escolas.

Apoie a causa assinando aqui o abaixo-assinado em defesa da causa. 

#FicaEja

Saiba mais sobre o tema e confira algumas das ações do CPERS em defesa da EJA:

>> Abaixo-assinado reúne mais de 6,7 mil assinaturas contra o fim da EJA, Neeja e cursos técnicos no RS
>> Desmonte: governo Leite proíbe matrículas de EJA e Técnico às vésperas do semestre letivo
>> CPERS articula ações com direções de escolas para impedir fechamento de EJAs e cursos técnicos

>> CPERS denuncia política de cancelamento de matrículas ao Ministério Público
>> Educadores protestam na capital e no interior pelo direito à educação e contra o autoritarismo do governo Leite

>> Mapeamento de matrículas e demanda de EJAs, NEEJAs e Cursos Técnicos
>> Exclusão: governo nega matrícula a 5,3 mil jovens e adultos em EJAs, Neejas e Cursos Técnicos
>> Desmonte da EJA: direções de Rio Grande e região denunciam impossibilidade de realizar matrículas
>> CNTE alerta sobre o desmonte da EJA no Rio Grande do Sul e diz que medidas legais poderão ser tomadas
>> Preocupação com EJA, municipalização e enturmações pauta debate da Comissão de Educação
>> Artigo analisa os retrocessos da EJA no Rio Grande do Sul sob Eduardo Leite
>> CPERS denuncia diminuição da oferta de EJA à Comissão de Educação da AL
>> Seduc nega matrícula a 283 alunos da EJA da Escola Agrônomo Pedro Pereira, de Porto Alegre

>> #FICAEJA: Educadores realizam ato em Porto Alegre exigindo a liberação de turmas da modalidade
>> Vacina, salário, EJAs e aulas remotas pautam 1ª reunião do CPERS com nova secretária da Educação

Notícias relacionadas