Fundeb: Rio Grande do Sul investe o mínimo legal na remuneração do Magistério


No 1º quadrimestre de 2020, o Rio Grande do Sul investiu apenas 60,7% dos recursos do Fundeb na remuneração do Magistério. Trata-se de um repasse nas bordas da Lei, visto que 60% é parcela mínima obrigatória a ser aplicada.

Os dados foram elaborados pelo Dieese.

O percentual do Fundeb investido na remuneração dos trabalhadores(as) atingiu seu ápice em 2014, chegando a 81,5% no ano final do governo Tarso. É, também, o ano do último reajuste salarial da categoria.

Desde a gestão Sartori, no entanto, registra-se uma queda acentuada. O primeiro ano de governo Leite terminou na faixa dos 65%.

 Saiba como receber notícias do CPERS por whatsapp

Nada impede que se aplique mais do percentual, inclusive 100%. Diversos outros estados utilizam proporções maiores, chegando a mais de 90% do fundo em casos como o do Ceará.


O Dieese também elaborou um relatório sobre indicadores fiscais que traz outras informações sobre a precarização da educação pública no Estado.

As despesas liquidadas com o setor, por exemplo, sofreram uma queda de 2,7% na comparação com o primeiro quadrimestre de 2019.

Enquanto a Receita Corrente Líquida registrou um aumento de 4,6% no primeiro quadrimestre, as despesas brutas com pessoal na ativa também retrocedeu, registrando uma queda de 1,6%.

Chama atenção, ainda, o crescimento de 8% dos gastos com terceirizados.

Leia a íntegra do relatório de Indicadores Fiscais do Dieese aqui 

Por um Fundeb renovado e permanente

A luta nacional pela votação e aprovação da PEC 15/2020, que institui o novo Fundeb, tem marcado o período de pandemia. O atual fundo tem vigência até o fim de 2020, e a sua não renovação levará ao colapso da educação básica em todo o país.

Em fevereiro, o Dieese publicou uma pesquisa detalhando os possíveis impactos. De acordo com o relatório, 46% dos municípios gaúchos perderiam investimento na educação básica, o que comprometeria quase 90% das matrículas da rede municipal de ensino.

O novo Fundeb prevê um aumento na complementação da União, de 10% para 20% do Fundo.

“Em 2020, a estimativa é de uma complementação de R$ 15,8 bilhões, frente a R$ 158 bilhões de recursos dos estados e municípios. Se os 20% já fossem implantados, a complementação da União seria de R$ 31,6 bilhões. Com mais recursos de complementação, mais redes públicas seriam beneficiadas, com maior potencial de atingir as metas do Plano Nacional de Educação (PNE)”, explica Nalú Farenzena, professora e doutora em Educação pela UFRGS.

Leia também

Governo do RS deixou de investir R$ 2,6 bilhões em educação em 2019
Precisamos falar sobre o Fundeb: razões para apoiar um fundo permanente e com mais recursos
Novo Fundeb: saiba o que está em jogo
▶ Greve e castigo: podcast Contraturno aborda o corte do ponto da greve
▶ Chega de Calote! CPERS lança encarte na edição desta segunda do Correio do Povo 
▶ Governo pede que escolas comprem EPIs com recursos que o Estado não repassa
▶ Escola se rebela contra imposições da Seduc e exige garantias para adotar salas virtuais

Notícias relacionadas