Vereadores de Caxias do Sul aprovam moção de repúdio contra os projetos de Eduardo Leite


Por 19 votos a zero, a Câmara Municipal de Caxias do Sul aprovou, na manhã desta quinta-feira (7),  uma Moção de Repúdio contra os projetos de alteração no Plano de Carreira do Magistério, no Estatuto do Servidor Público e na Previdência Estadual.

A sessão foi acompanhada por integrantes do 1º Núcleo do CPERS e comunidades escolares do município. Vereadores(as) de partidos da base do governo Leite também votaram favoravelmente, incluindo PSB, PTB, PP, PSD, MDB e Solidariedade.

Paula Ioris, única vereadora do PSDB – legenda do governador – se retirou e não participou da votação.

“A união da categoria e o diálogo com a comunidade são fundamentais para barrar o pacote de maldades do governo Leite. Contamos com a compreensão dos pais, que autorizaram a vinda dos estudantes para lutar ao lado dos professores. Quando estamos juntos, é mais fácil sensibilizar a sociedade e os representantes do poder público”, afirma David Orsi, diretor-geral do 1º Núcleo.

Caxias é o maior município a aprovar a moção até o momento, e utilizou o modelo de moção enviado pelo CPERS à base para pressionar as Câmaras.

“Tais projetos levarão, inevitavelmente, à queda de qualidade do ensino prestado nas escolas da rede estadual do nosso município. Também há de se considerar os efeitos do aprofundamento do arrocho salarial na economia local e na subsistência das famílias de professores e funcionários de escola que escolheram a nossa cidade para trabalhar, viver e sonhar”, afirma o texto.

Clique aqui para baixar o modelo de moção

Pelo menos outras 21 cidades já aprovaram moções semelhantes, de apoio aos educadores(as) ou repúdio aos projetos de Eduardo Leite:

Barão
Barra do Quaraí
Bento Gonçalves
Carazinho
Cerro Largo
Erechim
Harmonia
Novo Hamburgo
Osório
Palmeira das Missões
Portão
Rosário do Sul
Rondinha
Sapiranga
Santana do Livramento
São Francisco de Assis
São Leopoldo
São Pedro da Serra
Sarandi
Taquara
Três de Maio

Em Porto Alegre, também nesta quinta, as educadoras acampadas na Praça da Matriz receberam, pelas mãos do presidente da Associação das Câmaras Municipais do Alto Jacuí (Ascamaja), Everaldo Quadros de Moura, uma moção de repúdio assinada por vereadores de 20 municípios da região.

Mobilize a Câmara da sua cidade

Vamos pra cima dos vereadores e lembrar que 2020 é ano de eleições municipais!

Converse, fale sobre a situação de miséria dos educadores e das consequências dos projetos de Eduardo Leite para a educação.

Eles podem pressionar as bancadas na Assembleia Legislativa e garantir votos importantes para barrar o pacote desumano do governo.

A pressão permanente em todas as esferas do Legislativo e lideranças políticas locais e estaduais foi uma das deliberações do Conselho Geral do CPERS.

“Nossa resistência e pressão serão fundamentais para evitarmos essa calamidade. As câmaras de vereadores vão enxergar professores e funcionários de escola como nunca viram. Vamos fazer pressão em todos os partidos”, afirmou a presidente Helenir Aguiar Schürer na oportunidade.

Quer receber notícias do CPERS via whatasapp? Clique aqui!

Leia mais:

– Erros, inconsistências e omissões: governo infla dados para justificar reformas
– Ato unificado no dia 14 de novembro marcará luta contra desmonte do serviço público
– Série de vídeos detalha os ataques do pacote desumano de Eduardo Leite
– Como o pacote de Leite afeta funcionários de escola, professores e aposentados
– Eduardo Leite quer destruir a carreira e economizar às custas dos educadores
– Nota técnica da assessoria jurídica do CPERS 
– Eduardo Leite quer que os professores paguem o próprio piso
– Pressão nos vereadores: baixe o modelo de moção de repúdio aos projetos
– Direções escolares se mobilizam contra ataques de Eduardo Leite
– Assine a carta das educadoras aposentadas contra os projetos de Eduardo Leite

 

Notícias relacionadas