Professor faz bico e corta internet e telefone para sobreviver a ataques de Eduardo Leite


Nos próximos dias, amigos e familiares que quiserem falar com o professor Davi Piovesan, de Palmeira das Missões, terão que ignorar o isolamento social e procurá-lo pessoalmente, pois ele cortará a linha telefônica e o acesso à internet.

A decisão se deu após o educador visualizar os contracheques das suas matrículas neste mês. Descontos de greve, mudanças no Difícil Acesso, a perda do abono família e prestações de empréstimos acumuladas levaram a uma redução de mais da metade da sua renda.

No contracheque de 40h, o professor da ETE Celeste Gobbato e vice-diretor da EEEM Venina Palma acumula mais de R$ 2,8 mil em descontos, o equivalente a 70% do total de vantagens.

▶Saiba como receber notícias do CPERS por whatsapp

“Sempre honrei com os meus compromissos, nunca tive dívidas. Nesse momento tenho que cortar serviços básicos. A internet, por exemplo, é necessária porque hoje é exigido, pelo próprio governo, que passemos as atividades aos alunos e também que façamos cursos. Mas, infelizmente, não tenho mais como manter, pois não posso deixar faltar o essencial”, relata.

Bico para pagar as contas

Com dois filhos para pagar pensão, o jeito foi buscar outras formas de complementar a renda. “Minha prioridade é não deixar faltar nada para os meus filhos e nem ficar devendo. Então, junto com outro colega tenho feito serviços de rede elétrica e hidráulica. Se não for assim, não consigo garantir o básico”, explica.

O cenário de desvalorização pode levar, conforme avalia o educador, muitos profissionais a desistirem da carreira. “Com este governo, temos o desmonte total da educação. Os bons profissionais provavelmente vão sair da área, porque não vão conseguir garantir seu sustento”, preocupa-se.

“O que mais me entristece é ver que o governador manipula , engana as pessoas tentando convencê-las de que está beneficiando os professores. É muito triste ver isso. Leite, junto com a mídia e os grandes empresários, que querem dominar esse setor da educação, tenta fazer com que essas mentiras, tantas vezes ditas, convençam a população. É uma vergonha”, desabafa.

CPERS contesta descontos e luta pela reversão das medidas

Em meio a uma crise sanitária e econômica sem precedentes, ciente da impossibilidade de mobilização, sem diálogo e sem apresentar qualquer contrapartida para repor as perdas acumuladas da categoria, Eduardo Leite (PSDB) continua impondo um brutal arrocho aos educadores(as).

Além de continuar descontando dias de greve já recuperados pela categoria, o governador reduziu os proventos de cerca de 70% dos trabalhadores(as) na ativa com os novos critérios para o Adicional de Local de Exercício (Difícil Acesso) e passou a taxar a previdência dos aposentados(as) que ganham menos.

O Sindicato ainda estuda alternativas legais para barrar os retrocessos e exige a revogação dos novos enquadramentos e respeito à vida dos educadores(as) neste momento crítico.

Na última quarta-feira (29), em reunião com representantes de nove bancadas da Assembleia Legislativa, o CPERS propôs um movimento pluripartidário para pressionar o governo e construir soluções para os problemas em questão.

A reunião resultou nos seguintes encaminhamentos: construção de uma audiência com o governador para tratar dos temas, participação do CPERS em uma reunião de líderes – com todos os partidos da casa – e na mesa diretora da Assembleia, e uma nova reunião com o retorno da discussão sobre as pautas, provavelmente no dia 11 de maio.

Leia mais:

➡️ Redução do Difícil Acesso pode levar ao fechamento em massa de escolas do campo

➡️ Covarde: Eduardo Leite aproveita pandemia para reduzir salários de 70% dos educadores gaúchos

➡️ CPERS reúne bancadas da base e oposição para buscar soluções para a categoria junto ao Legislativo

➡️ CPERS denuncia redução salarial imposta pelo governo Leite em meio à pandemia com mudança no Difícil Acesso

➡️ Difícil Acesso: apenas quatro escolas receberão o valor máximo em todo o estado

Notícias relacionadas