Orientações para evitar a sobrecarga e informações sobre o VT e plantões presenciais


Mesmo com a defasagem salarial e os contracheques atrasados e picotados, a categoria tem trabalhado dobrado e está se virando para aprender a utilizar novas tecnologias, pagando a própria Internet e desgastando equipamentos pessoais.

Mas não custa lembrar: o Estado sequer paga o que deve corretamente, quanto mais horas extras. É preciso resistir à exploração e ao assédio, bem como respeitar a gestão democrática e a autonomia escolar na organização do trabalho. Saiba como:

▶️ Nenhum educador(a) deve aceitar trabalhar para além das horas contratadas. Vídeos de formação (letramento digital) são opcionais e devem ser assistidos dentro da carga horária normal. O atendimento de pais e alunos(as) também deve observar este cuidado;

▶️ Caso o educador(a) não tenha condições de realizar aulas síncronas, ou qualquer outra modalidade de aulas remotas – seja por falta de recursos, conexão, equipamentos adequados ou outra situação – deve registrar os motivos e comunicar a direção escolar e a mantenedora;

▶️ Ninguém pode ser obrigado a fazer um trabalho cuja realização depende de condições que a mantenedora não fornece. De acordo com a Secretaria da Educação, a efetividade não será prejudicada desde que o educador(a) justifique suas dificuldades com o trabalho remoto;

▶️ Muitos educadores(as) perceberam descontos retroativos no Vale Transporte. Quem realiza plantão presencial deve registrar a efetividade para receber o VT proporcionalmente aos dias em que houve translado. O Sindicato considera o corte do benefício mais um ataque à categoria, que já sofre com proventos reduzidos e arca com diversos gastos pessoais durante a pandemia para ter condições de atender a comunidade;

▶️ Independente da cor da bandeira regional, as escolas não devem operar em regime de plantão permanente. A orientação da Seduc é para que eventuais atendimentos presenciais sejam realizados somente mediante agendamento. Se você pertence a algum grupo de risco, comunique a direção e a CRE. Fique em casa.

Leia também:

▶ Desmonte: governo Leite proíbe matrículas de EJA e Técnico às vésperas do semestre letivo
▶ Ensino híbrido acirra desigualdades e prepara terreno para demissões e privatização
▶ CPERS denuncia política de cancelamento de matrículas ao Ministério Público
▶ Exclusão: um mês após adoção, quase 300 mil alunos não acessaram o Google Classroom
▶ Educação vigiada: governo entrega dados de 900 mil gaúchos à exploração de multinacionais
▶ Podcast Contraturno debate gestão democrática, pandemia e resistência no chão da escola
▶ A rede estadual de educação não precisa de caridade, mas de investimentos públicos e valorização

 

Notícias relacionadas