Enfraquecido, governo retira quórum de votação da PEC 261 pela segunda vez


Demonstrando claramente sua fragilidade diante da forte resistência e da pressão dos educadores e demais servidores, a base do governo retirou o quórum para votação da PEC 261 (tempo ficto), durante apreciação do pacote na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (05).
“Pela segunda vez, saímos com uma vitória. Novamente, o governo não conseguiu os votos necessários. Foi rejeitado, inclusive, o pedido do líder do governo, Gabriel Souza, de adiar a votação para a próxima semana. Não daremos um minuto de sossego a eles. Vamos continuar na Praça e pressionando os deputados até que este projeto seja retirado”, afirmou a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, ao levar as informações sobre a votação aos educadores que permaneciam em vigília na Praça da Matriz.
Nesta quinta-feira (06), as votações serão retomadas a partir das 10 horas. “Amanhã, devem iniciar já com a 261. Por isso, chamo novamente a nossa aguerrida categoria para vir com força à Praça da Matriz. Nossa mobilização tem mostrado que estamos fragilizando o governo. Vamos juntos, até derrotarmos este ataque aos nossos direitos”, destacou Helenir.

Propostas aprovadas nesta quarta-feira
Durante a votação na Assembleia, foi aprovado, por 29 votos a sete, o projeto de lei (PL) 88/2017, do Executivo, que permite elevar a concessão de incentivos fiscais para os setores de implementos rodoviários e automotivo. O Estado concede cerca de R$ 9 bilhões ao ano em incentivos e isenções ao setor empresarial. Também foi aprovada, por 34 votos a 16, a emenda proposta pelo líder do governo, Gabriel Souza, a PEC 261, a qual garante que as alterações não irão ser aplicadas para aqueles que já ingressaram no serviço público, atingindo os novos servidores, caso a PEC seja aprovada.

 

 

Notícias relacionadas