CPERS cobra do IPE Saúde qualidade nos atendimentos e respostas sobre hospitais que ameaçam se descredenciar da autarquia


Demora nos agendamentos, cobranças indevidas, descredenciamento de médicos(as), diminuição da oferta na capital e no interior e desrespeito e assédio com associados(as). Estas foram apenas algumas das denúncias apresentadas por representantes da direção estadual do CPERS, em reunião realizada na manhã desta terça-feira (27) com o diretor-presidente do IPE Saúde, Paulo Oppermann.

O encontro, solicitado pelo Sindicato, foi realizado na sede do Instituto na capital e ocorre após as mudanças impostas pelo governo Eduardo Leite (PSDB) e sua base aliada na Assembleia Legislativa, que aprovaram a reforma da autarquia em junho de 2023, levando ao aumento das alíquotas das(os) servidoras(es) e a taxação de seus dependentes. Porém, o discurso vendido para a sociedade por Leite e pela grande mídia, de que o acréscimo nas contribuições qualificaria os serviços oferecidos, não se sustenta e a realidade prova o contrário diariamente. 

Durante a reunião, os diretores do CPERS apresentaram uma série de situações preocupantes, tanto da categoria como pessoais, que comprovam os problemas acima relatados. A presidente do Sindicato, Helenir Aguiar Schürer, destacou a luta empenhada pelas(os) educadoras(es) e a Frente dos Servidores Públicos (FSP-RS) pela manutenção da qualidade do IPE Saúde.

“Fizemos uma intensa mobilização alertando que os problemas não seriam resolvidos com o aumento da contribuição. Agora, o mínimo que exigimos é dignidade para estes servidores, que após uma vida contribuindo não conseguem atendimento ou têm que pagar preços por fora para garantir a sua saúde e a de seus familiares”, expôs a presidente.

“Precisamos evitar que os médicos façam os absurdos que estamos denunciando. Esta reunião de hoje é para saber como o IPE Saúde irá superar esses problemas, para que os segurados tenham atendimento adequado”, exigiu Helenir.

A direção do Sindicato também manifestou preocupação com relação aos hospitais que ameaçam suspender o atendimento às(aos) seguradas(os) do IPE Saúde. O diretor-presidente do Instituto, Paulo Opermann, garantiu que, ao contrário do que as entidades médicas afirmam, a tabela de remuneração e os pagamentos efetuados às entidades e aos médicos(as) estão em dia.

“Precisamos apresentar a realidade dos fatos. Nos últimos dias estamos sendo bombardeados com diversas distorções e aqui poderemos dissecar o que realmente está acontecendo. As dificuldades do nosso instituto são conhecidas, por isso estamos nos colocando à disposição para responder o que for possível e fazer com que a relação melhore. Os resultados de algumas ações que estamos implementando custam a aparecer, ainda mais em uma autarquia responsável pela saúde de quase um milhão de pessoas”, garantiu Paulo.

Vera Lessês, diretora do Departamento de Saúde do Trabalhador(a) do CPERS e representante do Sindicato no Conselho de Administração do IPE Saúde, reforçou a importância do Instituto para professoras(es) e funcionárias(os) de escola, tanto ativas(os) como aposentadas(os).

“Tudo o que ouvimos aqui nesta reunião reforça o que cobramos incessantemente na mesa do Conselho. Resistimos às mudanças das alíquotas por saber da situação de miserabilidade da categoria, agora que aumentou, precisamos retomar a qualidade que o IPE Saúde tinha quando grande parte dos servidores ingressou no estado”.

Ao fim do encontro, os representantes do Sindicato reforçaram que permanecerão atentos e vigilantes aos desdobramentos da disputa entre IPE Saúde, médicas(os) e entidades que prestam o atendimento à categoria.

No dia 22 de março, o CPERS e a Frente dos Servidores Públicos realizarão um grande ato, a partir das 9h, em frente à sede do Instituto em Porto Alegre, para exigir qualidade nos serviços. Não permitiremos que as manifestações e articulações dos empresários da saúde resultem em perdas e precarização ou, como indica a cartilha neoliberal, na privatização do IPE Saúde.

Também participaram da reunião, representando o CPERS, o 2° vice-presidente, Edson Garcia, a tesouraria-geral, Rosane Zan, as(os) diretoras(es) Glaci Weber, Juçara Borges, Cássio Ritter e Sandra Régio, o representante do Sindicato no Conselho de Administração do IPE Saúde, Antonio Andreazza, e o advogado da assessoria jurídica da entidade, Marcelo Fagundes.

>> Leia também:

> Frente dos Servidores Públicos divulga manifesto em defesa do IPE Saúde
> Trabalhadores lutam bravamente contra o PLC 259 e declaram Eduardo Leite inimigo nº1 do povo gaúcho

Notícias relacionadas