Após quase 60 dias de greve, governo apresenta proposta aos educadores


Após quase 60 dias de greve dos (as) educadores (as), pela primeira vez, o governo chamou o Comando de Greve do CPERS para uma audiência no Palácio Piratini. Esta foi a sexta reunião desde que a paralisação da categoria iniciou. As demais cinco audiências foram realizadas devido à pressão exercida pelos professores e funcionários de escola.
Durante a reunião, o chefe da Casa Civil, Fábio Branco, e o secretário da Educação, Ronald Krummenauer, afirmaram que o Estado assumirá o compromisso de fazer o pagamento integral da folha no último dia do mês, a partir de 30 de dezembro de 2017, somente se houver crescimento econômico nos próximos meses, a venda do excedente do controle acionário do Banrisul e a adesão do Rio Grande do Sul ao Regime de Recuperação Fiscal dos Estados com o governo federal.
Na ocasião, o governo comprometeu-se em retirar a Proposta de Emenda Constitucional nº 257/2016, que propunha revogar o artigo 35 da Constituição Estadual acabando com a obrigatoriedade de pagar em dia os salários e o 13º dos servidores. O governo também comprometeu-se em não demitir os professores e funcionários de escola com contratos temporários, que aderiram à greve.
As propostas apresentadas serão levadas para o Conselho Geral do CPERS, que será realizado hoje à noite, e encaminhadas para a avaliação da categoria na Assembleia Geral Extraordinária, que ocorre nesta terça-feira, às 10 horas, em frente ao Palácio Piratini.

 

Notícias relacionadas