Após pressão, Eduardo Leite abre mão de aposentadoria especial


Após pressão, o ex-governador Eduardo Leite (PSDB) anunciou, nesta segunda-feira (20), que abrirá mão do valor de cerca de R$ 20 mil por mês de aposentadoria especial, quando fugiu de suas responsabilidades, renunciando ao governo, em março.

O CPERS denunciou amplamente a imoralidade do ex-governador em suas redes, no dia 15 de junho.

Eduardo Leite (PSDB), o maior mentiroso da história do RS, ainda tem a cara de pau de afirmar que estava “dentro das regras éticas e morais”, quando, na prática, deixou milhares de professores(as) e funcionários(as) na miséria, exterminou direitos, cortou gratificações, mentiu que concedeu 32% de reajuste aos educadores(as), obrigou aposentados(as) a pagarem novamente a previdência e não concedeu nem um percentual do Salário Mínimo Regional a funcionários(as) de escola.

É um total escárnio a quem dá a vida pela educação pública e trabalha sobrecarregado dia após dia ganhando um salário de fome.

No contracheque de maio, o ex-governador recebeu R$ 19.679,25 e mais uma parcela referente a abril de R$ 20.314,07. Somados, os valores brutos totalizaram R$ 39.993,32, com descontos, o valor líquido ficou em R$ 29.864,52.

Em parecer, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) lhe concedeu o direito de receber, por quatro anos, 65% do salário de governador, o equivalente ao período de dois anos e sete meses em que ficou no cargo. 

A 4ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre havia concedido até hoje o prazo para que a PGE explicasse o pagamento mensal.

O CPERS seguirá atento, denunciando a imoralidade de Eduardo Leite (PSDB) e cobrando políticas do atual governo que incluam prioritariamente a educação, além da valorização dos educadores(as) da ativa e aposentados(as).

Leia também:

> Estado tem 48 horas para justificar pagamento de pensão a Eduardo Leite
> Alerta ao país: quem é Eduardo Leite e por que sua gestão foi um desastre para a educação pública

Notícias relacionadas