Pela liberdade de cátedra e contra a mordaça, CPERS repudia Frente Parlamentar contra a Doutrinação do Ensino


A criação de uma Frente Parlamentar contra a Doutrinação do Ensino – iniciativa de Capitão Martim (Republicanos), deputado obscurantista, pró-armas e que costumeiramente vota contra as pautas da educação e de seus profissionais -, lamentavelmente, não surpreende.

Porém, causa indignação entre aqueles que se dedicam ao ensino com responsabilidade, ética e comprometimento, e que lutam por aprimoramento nas condições de trabalho, salários e no processo de ensino-aprendizagem.

Versão requentada das malfadadas e rechaçadas Escola Sem Partido, Homeschooling e Ideologia de Gênero, a ação serve tão somente e apenas para a promoção oportunista e eleitoreira de candidatos e parlamentares. Além disso, consome o dinheiro do cidadão contribuinte em pirotecnia política e fustiga educadoras(es) e estudantes em um absurdo caso de perseguição e assédio financiado com verbas públicas e realizado por meios institucionais que deveriam zelar pela democracia e pelos direitos.

Este é um notório ataque às professoras(es), que enfrentarão a imposição de uma mordaça em seu fazer pedagógico, assemelhando-se a práticas autoritárias e restritivas vistas durante períodos ditatoriais.

O CPERS repudia com veemência a existência e o despropósito da referida Frente, embrião de uma postura semelhante àquela adotada pelos golpistas do 8 de janeiro, avessa aos princípios educacionais que fortaleçam a consciência crítica e a ação criativa e transformadora dos indivíduos e coletivos no sentido de construir uma sociedade e país justo, igualitário e includente.

De nossa parte, notificaremos a Secretaria de Educação (Seduc), solicitando manifestação e encaminhamentos para que coíbam práticas de natureza autoritária, antidemocrática, invasiva e persecutória tais como as anunciadas pela Frente.

Reiteramos com firmeza nosso compromisso com uma educação fundamentada na gestão democrática, liberdade de cátedra e concepções pedagógicas que nutram cidadãos críticos, conscientes e autônomos.

Mantemos nossa determinação em resistir a quaisquer ameaças à liberdade educacional, assegurando que o ensino continue a ser uma força transformadora, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa, igualitária e preparada para enfrentar os desafios do presente e do futuro.

>> Confira, abaixo, os deputados(as) que são a favor das perseguições impostas pela Frente:

Capitão Martim (Republicanos)
Kelly Moraes (PL)
Gustavo Victorino (Republicanos)
Sergio Peres (Republicanos)
Professor Issur Koch (PP)
Joel Wilhelm (PP)
Guilherme Pasin (PP)
Felipe Camozzato (Novo)
Rodrigo Lorenzoni (PL)
Marcus Vinícius (PP)
Prof. Claudio Branchieri (PP)
Delegado Zucco (Republicanos)
Claudio Tatsch (PL)
Airton Lima (Podemos)
Adriana Lara (PL)
Eliana Bayer (Republicanos)
Edivilson Brum (MDB)
Adolfo Brito (PP)
Patricia Alba (MDB)

Notícias relacionadas