Conselho Geral do CPERS define mobilizações da categoria


A presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, deu início ao Conselho Geral do CPERS, na manhã desta sexta-feira (07), agradecendo a todos os Núcleos do Sindicato que mobilizaram os educadores para a vigília contra o pacote de maldades do governo Sartori, que ocorre desde novembro, na praça da Matriz, em Porto Alegre.
A forte resistência dos professores e funcionários de escola fez com que o governo recuasse diversas vezes por não ter os votos necessários para a aprovação das PECs. Ciente da fragilidade diante da pressão dos servidores, o governo pressionou deputados, principalmente do PDT, para que votassem com o governo. Com exceção dos votos dos deputados Juliana Brizola e Enio Bacci, o apoio do partido permitiu a aprovação das PECs 261, extingue o tempo de município para triênio e gratificações , e a 242, que retira a licença-prêmio por capacitação.
“Infelizmente a forma de condução do PDT, de votar com o governo e acreditar no deputado Gabriel Souza, que tenta nos convencer de que depois de aprovada uma emenda constitucional será mandada outra proposta, garantindo que a PEC 261 ficaria só para novos concursos, acabou ajudando a aprovar a 261. Confiar no PMDB é como acreditar no Papai Noel. Não temos garantia nenhuma de que será apresentada essa nova emenda. As manobras do governo levaram também a aprovação da PEC 242, que nos retira a licença-prêmio por capacitação. E é contra todos estes ataques que continuaremos firmes na luta, não recuaremos. Nossa denúncia sobre os deputados que votaram contra nós, já estão ocorrendo e serão intensificadas”, afirmou Helenir.

Mobilizações aprovadas pelo Conselho:
1.Realizar Ato Público Estadual, no dia 11 de julho (3ª feira), com concentração às 9h, em frente ao CPERS/Sindicato seguindo em caminhada até o Palácio Piratini. Intensificar a mobilização da categoria para Barrar a Votação do Pacote de Maldades do Governador Sartori na Assembleia Legislativa do Estado do RS;
2. Realizar Ato Público na SEDUC, com a participação da Comunidade Escolar, contra a falta de professores e funcionários;
3. Participar da Caravana do Movimento Unificado dos Servidores Públicos para denunciar nas bases dos(as) deputados(as) que votaram contra os Servidores Públicos e os Serviços Públicos do Estado do Rio Grande do Sul;
4. Continuar com o envio de e-mails aos(as) deputados(as) para que não votem nas PEC’s e nos PL’s que retiram os direitos dos(as) Servidores(as) Públicos(as) e atacam os Serviços Públicos;
5. Realizar protestos contra os deputados que votaram favoráveis a retirada dos nossos direitos, na sua cidade base. Cada núcleo deve organizar a sua base;
6. Realizar Moção de Solidariedade e apoio em Defesa do Professor Altemir Paulo Cozer e iniciar campanha contra Processos de Criminalização;
7. Realizar Moção de Apoio ao SIMPA – Sindicato dos Municipários de Porto Alegre por sua luta contra a aprovação de projeto considerado inconstitucional e desfavorável aos servidores. Repudiamos a forma vergonhosa e truculenta utilizada contra os servidores municipais pelo governo Marchezan;
8. Realizar Moção de Repúdio Contra a forma de desocupação da “Ocupação Lanceiros Negros” e lançar campanha de apoio material;
9. Realizar Moção de Repúdio ao Governo Marchezan por receber, na Prefeitura de Porto Alegre, os representantes fascistas que agridem trabalhadores que lutam por seus direitos;
10. Participar e fortalecer as lutas gerais, como: Contra a Reforma da Previdência, Contra a Reforma Trabalhista, Contra a Terceirização e a Reforma do Ensino Médio;
11. Realizar Moção de Repúdio aos vereadores de Porto Alegre que aprovaram o projeto que prevê o aumento da contribuição previdenciária dos(as) trabalhadores(as) de 11% para 14%.

Notícias relacionadas