Assembleia histórica do CPERS lota o Gigantinho


18/08/2015 PORTO ALEGRE/RS/BRASIL Assembléia e Caminhada do Magistério      Foto: Caco Argemi/CPERS
Foto: Caco Argemi/CPERS

 

Hoje foi um dia histórico para o CPERS, cerca de 15 mil educadores gaúchos mostraram sua força e união ao lotarem o Gigantinho. O local, que é, historicamente, símbolo de lutas da categoria, não era palco desta cena a cerca de 20 anos. Ao lado de fora do estádio foi colocado um telão para que os educadores que não puderam entrar, devido à falta de espaço, pudessem acompanhar as atividades. “Nossa categoria respondeu ao nosso chamado. Essa, sem dúvida, é uma das maiores Assembleias de todos os tempos. O gigante acordou! O CPERS está de volta”, celebrou a presidente da entidade, Helenir Aguiar Schürer. Na ocasião, os educadores aprovaram, por ampla maioria dos votos a greve unificada dos servidores públicos estaduais por tempo determinado, nos dias 19, 20 e 21 de agosto. A paralisação é uma resposta aos frequentes ataques do governo Sartori e seus aliados contra os direitos dos servidores do funcionalismo público estadual que sequer respeita o pagamento dos salários em dia e na sua integralidade.
Caso o governo não pague os salários em dia ou volte a parcelar os pagamentos dos servidores, ocorrerá nova mobilização nos dias 31 de agosto, 1º, 2 e 3 de setembro, além de ato público em frente ao Palácio Piratini no dia 3.

Juntos somos mais fortes!
“Estou na luta desde 1961 e participei de todas as greves. Esse governo já mostrou a que veio. Temos mais três anos pela frente. Por isso, essa greve unificada por tempo determinado é estratégica”, declarou a professora aposentada Jussara Domingues.
O diretor do Departamento de Educação do CPERS, Enio Mânica destacou a importância da unidade dos servidores. “Juntos vamos pressionar para que os PLs que prejudicam os servidores sejam retirados da Assembleia. O governo não vai penalizar os servidores pela crise do Estado”, ressaltou.
A vice-presidente do CPERS, Solange Carvalho, destacou as frequentes ameaças e o descaso do governo com os educadores e os demais servidores e a importância da união de todo o funcionalismo. “Vivemos um momento único. Todos estamos do mesmo lado, de mãos dadas para enfrentar a desvalorização do governo com o nosso trabalho. Lutamos por dignidade. Juntos somos mais fortes. E é isso que estamos demonstrando hoje aqui nessa Assembleia”, afirmou.
Após a aprovação da greve unificada dos servidores e das demais pautas de mobilização, os educadores seguiram em caminhada até o Largo Glênio Perez onde uniram-se a cerca de 50 mil servidores na Assembleia Unificada dos Servidores Públicos Estaduais.

Notícias relacionadas