Após pressão do CPERS e comunidade, transporte escolar será retomado na EEEF Estado de São Paulo


Nesta sexta-feira (11), a diretora do CPERS, Sandra Régio, e a diretora do 22° Núcleo (Gravataí), Letícia Coelho Gomes, visitaram a EEEF Estado de São Paulo, localizada no bairro Morungava, em Gravataí.

Após forte mobilização dos educadores(as), do Sindicato e das mães e pais da Instituição, o transporte escolar voltará a atender a escola através de um contrato provisório com a empresa Topsul Transportes. Desde o dia 1º de agosto, cerca de 150 estudantes estavam sem aula por falta de locomoção.

Elisangela Souza, vice-diretora do turno da tarde explica que a nova empresa começará o transporte das crianças a partir da semana que vem, segundo a Seduc. “O estado conseguiu outra empresa que vai começar na semana que vem, mas nosso sentimento é de frustração, pois, o estado prometeu e não cumpriu, vamos para o segundo contrato provisório para o transporte escolar. Estamos perdendo nossos alunos, e eles perdendo aulas, o que pode ter sérios prejuízos na aprendizagem”, destacou.

Janine Dhein e o marido Elias Lima são pais de um estudante da 6° série da instituição. A residência deles fica aproximadamente 5 km de distância da escola.

“Ficamos frustrados e de mãos atadas. Não posso fazer nada, estudar, trabalhar, porque tenho um adolescente dentro de casa, sem aula. Enquanto meu filho estiver na escola eu quero continuar com ele no transporte escolar, não tenho condições de trazer ele de carro todos os dias. A minha luta pelo transporte regular para a escola vai continuar”, salienta Janine.

“O governo do estado não pode tirar o direito de ir e vir das crianças, o direito de estudar. Estamos entrando no segundo contrato emergencial. Tudo o que queremos é que o transporte seja regularizado para as nossas crianças”, desabafa Elias.

CPERS junto na luta!

Em abril deste ano, a instituição já havia passado pela mesma situação. O CPERS esteve junto na luta dos educadores(as), alunos(as) e comunidade escolar e naquela ocasião o problema também foi solucionado com um contrato emergencial, mas em agosto a empresa deixou de operar o serviço.

O Sindicato seguirá acompanhando o caso e atento aos próximos passos, para que o problema não volte a se repetir..

Além da Estado de São Paulo, as diretoras Sandra e Letícia também visitaram as escolas EEEM Ponche Verde e EEEB Júlio César Ribeiro de Souza, para mobilizar a categoria. Durante os encontros, novos educadores(as) filiaram-se ao CPERS para cerrar fileiras contra os desmandos do governo Eduardo Leite (PSDB).

A diretora Sandra Régio, salientou a luta do Sindicato junto à escola e a mobilização constante por uma educação pública, laica e de qualidade para todos(as). “É um absurdo o descaso e desrespeito do governo Leite com essas crianças. Ele está tirando o direito de ir e vir desses estudantes, o direito de estarem em sala de aula, recebendo uma educação de qualidade. O Sindicato continuará vigilante e presente na luta pelo transporte escolar regular para a escola”, finaliza.

A diretora do 22° núcleo (Gravataí), Letícia Coelho Gomes, destacou o compromisso do CPERS com a luta pelo transporte para a escola. “O CPERS, através do 22° Núcleo, está junto com a escola desde o início nessa luta. O que está acontecendo aqui é uma falta de respeito e ética do governo, com educadores e estudantes”, afirma Letícia.

O CPERS seguirá acompanhando o caso e atento aos próximos passos, para que o problema não volte a se repetir.

Notícias relacionadas