Segundo dia de Greve Nacional dos Educadores


6d71df15-129f-4d53-a25d-eed8c9b5399d

Nesta quarta-feira, dia 16, ocorreu o segundo dia de Greve Nacional chamada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE. Em Porto Alegre e no interior do Estado, professores e funcionários de escola aderiram a paralisação em defesa dos educadores e da qualidade da educação pública gaúcha.
Um dos exemplos, na capital, foi o Colégio Júlio de Castilhos, onde a adesão dos professores é de 100%. Somente o atendimento da secretaria foi mantido. As  escolas Técnica Ernesto Dorneles e Emilio Massot, também atenderam ao chamado da CNTE e do CPERS  e paralisaram em a 100% as atividades.
A mobilização não ficou restrita aos educadores, ganhou o importante apoio de alunos e até mesmo de ex-alunos. Felipe Boltran,  19 anos, ex-aluno do Colégio Júlio de Castilhos, formado no ano passado, esteve hoje na instituição e deixou seu apoio as justas reivindicações dos professores. “É notória a precarização das escolas a cada ano que passa. Como vamos ter professores motivados dentro das salas de aula se o  salário deles é parcelado, além de não receberem o que realmente merecem. Todo trabalhador tem o direito de ter o seu salário no final do mês e isso não é diferente com os educadores” afirmou.

eaa0c09b-24a9-41c9-9c31-2784fb2472e5
Ex-aluno do Julinho Felipe Boltran apoia os educadores

Descaso com a Educação Pública
No final do ano passado, os educadores e os alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental Rio Grande do Sul, ouviiram de representantes da Secretaria de Educação que os estudantes seriam transferidos para uma escola próxima e os professores remanejados. Devido a união de toda a comunidade escolar, professores e funcionários de escola, juntamente com o CPERS, a instituição não foi fechada. De acordo com a diretora da escola, Elisa Santanna Oliveira, foi a união com a comunidade que fez com que escola não fechasse. Após reunião com a comunidade,  a escola decidiu aderir à greve no primeiro dia. Nesta terça-feira, dia 15, primeiro dia da Greve Nacional dos educadores, alunos, pais, professores e funcionários da escola fizeram um mutirão para a limpeza do local. A instituição possui um único funcionário para a limpeza e ele está de licença. Desde o episódio da tentativa de fechamento da escola foi criado um grupo de voluntários (pais de alunos) e todas as sextas-feirasas  mães de alunos limpam a escola. “Concordo com a greve. Cada um deve decidir se participa ou não. Em nossa escola, tomamos a decisão, junto com a comunidade, de  participar no primeiro dia”, observa Elisa.
A dona de casa, Graciele da Silva Godoi, mãe da aluna Ana Carolina, do primeiro ano (série inicial),  relata que participa de todas as reuniões com a escola e que apoia completamente a greve dos educadores. “Os professores são desvalorizados no nosso Estado, são eles que educam nossos filhos e deveriam receberem salários mais dignos e justos pelo trabalho que realizam”, declara.
A  E.E.E.F  Rio Grande do Sul também integra a greve através de paralisação parcial das atividades.
Amanhã, é o último dia da greve nacionaol chamada pela CNTE. Na sexta-feira, dia 18, o CPERS realiza Assembleia Geral, no Gigantinho, para definir os rumos da mobilização dos educadores gaúchos.

11584105-a854-402c-897a-22627fe90595    e1b6d949-32f3-4316-a75e-a870c1486776
Elisa Santanna Oliveira, diretora da E.E.E.F Estado do Rio Grande do Sul

Acompanhe as mobilizações pelo Estado
No 21º Núcleo – Uruguaiana, os educadores promoveram panfletagem na Praça Barão, denunciando para a sociedade o descaso do governo Sartori com a educação pública e os educadores.
Em Ijuí, professores e funcionários de escola reuniram-se no Sindicato dos comerciários para a realização da Assembleia Regional.
No 22º Núcleo – Gravataí, os educadores realizaram Assembleia Regional na E.E. de 1º e 2º graus Barbosa Rodrigues.
Em Guaporé, os educadores reuniram-se na sede do Núcleo para a Assembleia Regional, que contou com a participação da presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer.
O Núcleo de Rio Grande realizou plenária sobre o tema Mercantilização da Educação é Militarização das Escolas Públicas, para dezenas de educadores.
Em Santa Maria, os educadores reuniram-se para a Assembleia Regional na Escola Olavo Bilac.

santa maria  Guaporé
Santa Maria                                                                                                      Guaporé

Ijui
Ijuí

Notícias relacionadas