Prefeitura de Portão conclui 1ª dose de vacinação dos educadores de todas as redes: estadual, municipal e privada


Dos 27 municípios que compõem o 14º núcleo do CPERS (São Leopoldo), Portão é o primeiro a vacinar todos os educadores das redes estadual, municipal e privada com a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

A vacinação teve início no dia 13 de maio e foi concluída no último dia 27. No total, 505 professores e funcionários de escola receberam a vacina.

O diálogo permanente e a posição do sindicato em ressaltar a importância de antecipar a vacinação dos trabalhadores em educação foi essencial para que a imunização ocorresse.

Entre as ações realizadas pelo 14º núcleo do CPERS estão a entrega de ofício solicitando a antecipação da vacina às 27 prefeituras que compõem núcleo e ao presidente da Associação dos Municípios do Vale do Rio dos Sinos (Amvars), Luciani Orsi, que também é prefeito de Campo Bom.

“Também entregamos documento à CRE regional, pedindo a realização urgente da testagem em massa da comunidade escolar. Em Portão, fizemos esse diálogo e tivemos uma boa parceria que resultou na vacinação dos educadores.  Utilizamos a cidade como exemplo para outros municípios. Vamos continuar a mobilização para que possamos logo comemorar a vacinação de todos os colegas”, explica o diretor Luiz Henrique Becker.

“Acredito que o nosso diferencial, o que possibilitou sermos pioneiros na vacinação dos educadores é o reconhecimento que temos pela categoria. E, sem dúvida, a nossa organização junto à Secretaria da Saúde, que foi fundamental para conseguirmos concluir a vacinação. Estamos emocionados”, destaca a secretária da Educação de Portão, Rosaura Gomes.

De acordo com ela, o próximo passo será vacinar os professores de Ensino Superior. “Só estamos aguardando o aval da Secretaria da Saúde para iniciarmos”, observa.

Alívio e esperança

A apreensão com a possibilidade de ser contaminada e necessitar de cuidados médicos que poderiam não estar disponíveis, era o sentimento da merendeira Janice Souza, que há 17 anos trabalha na escola Pedro Schuler. “Meu pai é idoso e depende muito de mim. Além disso, tenho problemas de pressão que agravam os riscos”, relata.

Com a aplicação da primeira dose da vacina, a preocupação cedeu lugar para o alívio. “Me sinto aliviada, com menos medo. Agora é esperar a segunda dose e torcer para que a vacina chegue logo a todos.”

Notícias relacionadas