CPERS participa da Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora contra a Reforma da Previdência


Em protesto contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência, apresentada na manhã desta quarta (20) pelo governo Bolsonaro, milhares de trabalhadores(as) realizaram a Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora, na praça da Sé, em São Paulo. A manifestação, convocada pelas centrais sindicais, contou com uma delegação de professores e funcionários de escola do CPERS.

Durante a Assembleia, a PEC da reforma foi rejeitada e um intenso calendário de lutas e mobilizações foi aprovado prevendo atos públicos, mobilizações nos locais de trabalho e nos bairros de todos os municípios do país.  O objetivo é dialogar com a população e esclarecer as consequências das propostas apresentadas por Bolsonaro.

A reforma eleva as idades mínimas de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres e estabelece o mínimo de 20 anos de contribuição para a iniciativa privada. Também acaba com as aposentadorias por tempo de contribuição após um período de transição.

Para os(as) professores(as) da rede pública, a proposta prevê idade mínima de 60 anos, tanto para as mulheres quanto para os homens, e um tempo de contribuição de 30 anos para poderem se aposentar. Para ter direito ao benefício integral será preciso contribuir por 40 anos. Atualmente, os professores do setor público se aposentam com 50 anos de idade, se mulher, e 55 anos, se homem. O tempo de contribuição também é diferente de acordo com o sexo: 25 anos (mulher) e 30 anos (homem). Também têm de cumprir o requisito de 10 anos de tempo de serviço no setor público.

Foto: Raul /Estadão

Confira a íntegra da resolução aqui.

Notícias relacionadas