Conselho Geral aprova mobilizações que irão reforçar a luta contra o descaso do governo com a educação pública


Os conselheiros do CPERS reuniram-se na manhã desta sexta-feira, dia 26, para deliberarem sobre as pautas de mobilização da categoria.
Durante o Conselho, a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, informou que o governador Sartori assinou, nesta manhã, um decreto que estabelece parcerias do Estado com as Organizações Sociais e ressaltou a importância da unidade da categoria para a luta e a resistência contra os governos Sartori e Michel Temer, ambos do PMDB. “Mais do que nunca, a nossa unidade torna-se necessária para lutarmos contra os ataques destes governos. Vamos concentrar nossas forças nas ações deliberadas aqui hoje para impedir qualquer retrocesso em nossos direitos”, afirmou.
Para demonstrar o repúdio dos educadores e denunciar as práticas irresponsáveis e terroristas do governo Sartori, o CPERS já está com a campanha, aprovada pela categoria, “Sartori Reprovado. Fora Sartori: inimigo da educação”, em todo o Estado.

Propostas aprovadas:
1- Construir a Greve Geral;
2- Realizar, em caso de parcelamento salarial, Ato da categoria no dia 02 de setembro, entregando correspondências no Tribunal de Justiça e no Ministério Público cobrando providências quanto ao descumprimento de ordem judicial;
3- Publicar Nota de denúncia em relação a falta de segurança nas escolas;
4- Realizar as Conferências, por Núcleo, envolvendo toda a comunidade escolar, para debater o tema “A escola que temos e a escola que queremos”;
5- Realizar Ato na Expointer no dia da visita do governador;
6- Fazer escracho em todas as agendas do governador e de seus aliados.
7- Os funcionários e os professores da àrea administrativa somente deverão recuperar se os alunos tiverem dias para serem recuperados;
8- Realizar o “Grito da Educação”, entre os dias 15 e 28 de outubro, para manifestar o repúdio da categoria ao governo Sartori;
9- Participar da atividade que está sendo construída pelas Centrais Sindicais e Entidades dos Servidores Públicos, no mês de setembro, em Brasília;
10- Divulgar a dívida do Estado e dos Poderes Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas ao IPE;
11- Unificar as lutas dos servidores públicos, trabalhadores da iniciativa privada, estudantes e entidades dos Movimentos Sociais;
12- Realizar Moção de Apoio em defesa dos Direitos Humanos repudiando o assassinato do jovem de 23 anos, Davidtchen Siméon, militante da organização popular progressista MOLEGHAF (Movimento de Liberdade, Igualdade dos Haitianos pela Fraternidade), em Fort Nacional (Porto Príncipe), no Haiti.

0001

 

 

 

 

 

 

 

Notícias relacionadas