Comunidade mobiliza-se para impedir fechamento de turno na escola Hugo Óscar Sphor


Recentemente, pais, estudantes, professores e funcionários da E.E.E.M Hugo Óscar Sphor, localizada em Canudos do Vale, região do 8º Núcleo do CPERS (Estrela), reuniram-se para debater sobre as ações necessárias para impedir o fechamento de um dos turnos da instituição.

Atualmente, a escola atende a alunos do 7º ao 9º ano ensino fundamental e do 1º ao 3º ano do ensino médio. Na semana retrasada, a direção da instituição foi comunicada, informalmente, pela 3ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) que em 2020 haverá o fechamento de um dos turnos, mas sem especificar qual.

Fundada em 1906, a Hugo Óscar Sphor é a única escola da rede pública estadual na cidade, que possui 1729 habitantes. Há uma ligação muito forte entre a instituição e a comunidade. “A escola faz parte das nossas vidas. Iniciou como escola rural. Os meus pais ajudaram a construí-la, meus irmãos e eu estudamos aqui. Eu trabalho aqui há 16 anos. Toda a comunidade passou por essa escola, não queremos ver isso acabar”, relata a merendeira, Ana Paula Marchi Pontin.

“A comunidade se pauta pela escola. É fundamental que haja uma forte mobilização para mantê-la e dizer que a escola é a esperança desse município se manter e se desenvolver. Se ela fechar, os jovens irão embora e isso pode representar o fim do desenvolvimento desta cidade. O estado está pensando única e exclusivamente na questão econômica e não nas vidas que afeta ao fechar uma instituição como essa”, ponderou a diretora do Núcleo de Taquara, Simone Goldschmidt.

“A comunidade recebeu a notícia com surpresa. Os ataques do governo contra a educação não cessam. Não podemos permitir que fechem um dos turnos desta escola que é tão importante para a comunidade. Fechar um turno é um passo para o fechamento da escola”, alertou o diretor do 8º Núcleo do CPERS (Estrela), Gerson Luis Johann.

De acordo com ele, após a realização do debate ficou definido que serão realizadas diversas ações para impedir o encerramento de um dos turnos da escola, entre elas a realização de um abaixo assinado, visita da comunidade escolar à CRE e ao Conselho Estadual de Educação e pressão na Secretaria Estadual de Educação (Seduc). “Vamos mobilizar a comunidade e toda população deste pequeno e importante município para manter a escola com o atendimento que disponibiliza hoje.

O CPERS orienta as direções dos núcleos e das escolas a mobilizarem as comunidades escolares para que façam a resistência necessária contra o fechamento de turnos, turmas e escolas.

Notícias relacionadas