Comando de Greve avalia primeira semana e define os próximos passos da luta pela educação


Reunido pela segunda vez na tarde desta segunda-feira (25), o Comando de Greve realizou um balanço da primeira semana do movimento grevista e debateu as próximas ações de comunicação e mobilização.

Com amplo apoio social, atos de rua capilarizados em todo o Rio Grande do Sul, adesão maciça nos 42 núcleos e características inéditas, como a paralisação de escolas e municípios tradicionalmente avessos a greves, o grupo avaliou o período como extremamente positivo.

Apesar da ameaça de corte de ponto do governador, a paralisação segue firme. A contagem de escolas mobilizadas passou de 1.514 na sexta para 1.533 nesta segunda.

“Eduardo Leite inflamou a categoria ao afirmar que esta é uma greve sem justificativa. Ora, com 47 meses de salários atrasados, cinco anos de congelamento e os piores salários do estado, ninguém tem mais legitimidade para fazer greve do que os educadores”, afirmou a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer.

O Sindicato ajuizou, hoje, mandado judicial pleiteando uma liminar para sustar os efeitos da medida arbitrária do governador.

Há o consenso de que a greve se tornou maior do que um movimento a favor dos educadores(as). A sociedade compreendeu a gravidade da situação e abraçou a defesa da própria escola pública, se posicionando fortemente contra a injustiça de uma crise que recai sempre sobre os ombros da categoria.

Entre os pontos de pauta, esteve a organização da Assembleia Geral desta terça-feira (26), às 13h30 na Praça da Matriz, que promete ser ainda maior do que o ato do último dia 14. O foco será manter a categoria mobilizada e o fomentar o crescimento do movimento, que já se dissemina por outras categorias e fora do Rio Grande do Sul.

O grupo também reiterou a importância de fortalecer o ato unificado da Frente de Servidores(as) Públicos (FSP/RS), marcado para as 16h, no mesmo local.

Na quinta-feira (28), o Comando de Greve orienta a organização de passeatas luminosas no início da noite em todos os núcleos, trazendo a comunidade escolar e populares para abraçar a escola pública.

Na sexta (29), ocorrerá 4ª Mostra Pedagógica Estadual, trazendo mais de 100 projetos desenvolvidos em sala de aula para apresentação pública na Praça da Matriz.

O Comando de Greve mantém a exigência de retirada da pauta da Assembleia dos projetos que atacam brutalmente os trabalhadores(as) em educação. Qualquer outra negociação parte desta premissa.

Notícias relacionadas