Ano letivo inicia com paralisação estadual e grande protesto em Porto Alegre


29/02/2016 PORTO ALEGRE/RS/BRASIL: Aula Cidadã, CPERS faz caminhada até o Palácio Piratiní Foto: Caco Argemi/CPERS
29/02/2016 PORTO ALEGRE/RS/BRASIL: Aula Cidadã, CPERS faz caminhada até o Palácio Piratiní Foto: Caco Argemi/CPERS

Sob o sol escaldante desta segunda-feira, 29, milhares de educadores responderam aos ataques e ameaças do governo com uma grande manifestação que percorreu as ruas centrais da capital, passou pela Secretaria da Fazenda e finalizou com uma Aula Cidadã em frente ao Palácio Piratini. A mobilização, que marcou, com protesto, o início do ano letivo na rede pública estadual, cobrou do governo Sartori o respeito pelos educadores e as famílias gaúchas, a valorização dos professores e funcionários de escola e condições estruturais adequadas para o aprendizado dos estudantes. Em todo o Estado, 80% das escolas aderiram à paralisação. Amanhã, as instituições reabrem as portas com aulas normais.
Durante a caminhada, a Direção Central do CPERS, alunos, representantes de Sindicatos de educadores de outros estados que também enfrentam a tentativa de desmonte da escola pública, CUT e CNTE denunciaram os constantes ataques do governo contra os educadores. Parcelamento de salários e do 13º, ameaças de retirada de direitos históricos, falta de professores, enturmação, fechamento de turmas, escolas sucateadas e sem a segurança necessária e fechamento de EJAS são algumas das situações enfrentadas por educadores e educandos desde o início da administração Sartori.
Parcelar os salários tem sido praxe deste governo. Na última sexta-feira, 26, dias antes da data de pagamento dos salários, o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, anunciou, novamente, o parcelamento do salário do funcionalismo público. Hoje, o governo depositou apenas R$ 1.750,00 por matrícula. A folha de fevereiro, segundo informações do governo, só deve ser quitada no dia 15 de março. O Rio Grande do Sul é o estado que pior paga aos educadores. A defasagem do Piso Salarial do Magistério para os educadores gaúchos já chega a 69,44%.
“Este governo, logo que assumiu começou o discurso da crise, a qual não existiu quando concedeu aumento a ele, seu vice e secretários. Logo em seguida, aumentou o ICMS alegando que seria para poder pagar o funcionalismo. Mas continuamos com nossos salários parcelados. Não vamos admitir este retrocesso que o governo Sartori tenta impor”, afirmou a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer.

Após pressão, governo autoriza nomeações

Logo após o término da Aula Cidadã, o governo do Estado, através de seu twitter, anunciou a autorização à Secretaria da Educação para nomear professores concursados. No dia 15 de janeiro, o secretário da Educação Vieira da Cunha, em reunião com a Direção Central do CPERS, recebeu, mais uma vez, a solicitação dessa demanda. “Essa tem sido uma das nossas principais reivindicações desde o início do governo. Hoje, são 5013 concursados aguardando a nomeação. Vamos acompanhar de perto esta situação”, destacou Helenir.

29/02/2016 PORTO ALEGRE/RS/BRASIL: Aula Cidadã, CPERS faz caminhada até o Palácio Piratiní Foto: Caco Argemi/CPERS
29/02/2016 PORTO ALEGRE/RS/BRASIL: Aula Cidadã, CPERS faz caminhada até o Palácio Piratiní Foto: Caco Argemi/CPERS

 

 

Notícias relacionadas