Em nota, CNTE conclama entidades afiliadas e toda a sociedade para a defesa do piso do magistério


Hoje, reinicia a sessão no Supremo Tribunal Federal (STF), onde está sendo julgada a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que trata do critério de atualização do Piso do Magistério, definido no parágrafo único do art. 5º da Lei nº 11.738/2008. À época desse julgamento, em fevereiro desse ano, quando foi suspenso pelo destaque de um dos ministros, o placar apresentava quatro votos pela rejeição dos embargos e pela manutenção integral do critério de atualização anual do Piso. A informação nova, divulgada nesta sexta-feira (1), é a de que o relator manteve o voto apresentado em fevereiro e foram mantidos os três votos proferidos à época pelos ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Edson Fachin. Dessa forma, faltam dois votos para formar a maioria pela rejeição definitiva dos embargos de declaração.

A desculpa da prefeitura de Colombo, município paranaense, assim como acontece em alguns outros lugares do país onde a gestão não tem preocupação com a educação de seu povo, cairá por terra. A ilegalidade que a atual gestão deste município insiste me fazer custará caro ao prefeito Helder Lazaroto, que não valoriza os(as) professores(as) da cidade que prometeu cuidar.

A estratégia de, por ora, não judicializar essa questão, à espera do julgamento que hoje está sendo retomado no STF, deixa claro que foi uma decisão acertada. Foi uma decisão articulada dos sindicatos dos(as) trabalhadores(as) da educação e de seus setores jurídicos com a CNTE. Temos confiança que o STF julgará improcedente os embargos de declaração e ratificaram o critério de reajuste do Piso Salarial Nacional do Magistério, pelo qual tanto lutamos e que hoje, infelizmente, a exemplo do prefeito Helder Lazaroto de Colombo, ainda insistem em não pagar o reajuste de 14,95% para esse ano de 2023.

Agradecemos a confiança dos(as) companheiros(as) de Colombo que, sob a coordenação da APMC-Sindicato, entidade afiliada a CNTE, souberam fazer a leitura política estratégica de aguardar essa decisão definitiva que está por chegar, muito em breve, da maior corte judicial brasileira.

A CNTE orienta suas afiliadas e toda a sociedade que defende o Piso do Magistério a se manifestarem hoje nas redes sociais, pela rejeição dos embargos de declaração opostos na ADI 4848 , pela constitucionalidade e plena vigência da lei do Piso do Magistério. Todos à luta, companheiros(as)!

 

Brasília, 01 de setembro de 2023

Direção Executiva da CNTE

Fonte: CNTE

 

 

 

 

Notícias relacionadas