A ASTUCIOSA LÓGICA DOS QUE CONDENAM MANIFESTAÇÕES FAZENDO-SE DE DEMOCRATAS


Há um discurso ardiloso contra manifestantes. Esse discurso nunca se opõe diretamente à liberdade de manifestação. Mas contra a forma de se manifestar. Jamais se ocupa da causa das manifestações. Sempre dos efeitos. Não se interessa em fazer perguntas simples:

  • Por que estudantes foram obrigados a ocupar escolas?
  • Por que professores foram obrigados a ocupar o CAFF?
  • Por que estudantes ocuparam o prédio da Fazenda?
  • Quem criou a má qualidades das escolas (chove dentro, faltam professores, as instalações são precárias…)?

O antimanifestante só pensa em si.

Pratica um egoísmo repressivo Discurso extremista, denuncia o suposto extremismo dos manifestantes.

  • Por que eles precisam atrapalhar o trânsito?
  • Por que não andam pelas calçadas?
  • Por que invadem prédios públicos?

Uma manifestação só surte efeito se provocar algum incômodo. O resto é utopia ou enrolação de quem pretende manipular os insatisfeito. Desatendido, ignorado, sem negociação, o manifestante é obrigado a adotar ações que despertem a sociedade do seu marasmo. Na Europa, que os antimanifestantes adoram citar como exemplo de tudo, manifestações bloqueiam estradas, ocupam prédios e queimam carros. A polícia negocia e reprime. Parte da grande mídia, condena. Outra parte, busca compreender as causas. Aqui, a mídia sempre condena. Salvo exceções. O ideal é o manifestante humilde, chamado de sensato.

É um discurso do poder. Mostra uma visão autoritária. Vereadores, deputados, secretários de Estado, prefeitos e governadores têm seus salários corrigidos em parcela única. Funcionários são “convidados” a aceitar parcelamento. A justiça cuida primeiro do seu pirão. Paga-se polpudos auxílios. É lenta. Salvo para julgar interesses de antimanifestantes e determinar reintegrações de posse de prédios públicos. A mídia conservadora reverbera solene:

  • É crime invadir prédio público.

Crime como estratégia de dissuasão. Na hora, precisa negociar. É acontecimento político derivado de ações ou inações políticas. Transformar justas reivindicações sociais em casos de polícia é uma velha ideologia conservadora. Mandar para o Presídio Central quem entrou num prédio público para se fazer ouvir por uma burocracia indiferente é aplicar pena de morte por infração de trânsito. Outra astúcia é transformar funcionário público em “corporação”. Tem membro de “corporação” ganhando menos do que salário mínimo. Corporação é a dos magistrados. Coisa assim. A lei é a lei, dizem os “sensatos”. A lei do piso do magistério não é cumprida. Quem se lembra disso?

Não há democracia sem entropia.

A ordem perfeita é a dos cemitérios.

Notícias relacionadas