22º Grito dos Excluídos ocorre nesta quarta, em Porto Alegre


Com o lema “Este sistema é insuportável: exclui, degrada e mata” e o tradicional tema “Vida em primeiro lugar”, o Grito dos Excluídos chega à 22ª edição neste ano. As manifestações acontecem na Semana da Pátria em todo o país, com ponto máximo em 7 de setembro, Dia da Independência do Brasil.
Em Porto Alegre, a atividade contará com duas concentrações às 9h. Uma na sede do Incra (Avenida Loureiro da Silva, 515), onde cerca de dois mil trabalhadores Sem Terra estão acampados desde a manhã desta segunda-feira (5). Outra concentração será no Monumento dos Mortos e Desaparecidos, no Parque Marinha do Brasil (Avenida Ipiranga esquina com a Avenida Beira Rio).
O CPERS orienta aos Núcleos da capital e da Região Metropolitana (Porto Alegre, Gravataí, Canoas, São Leopoldo e Guaíba) a mobilizarem a categoria para participarem das atividades. Para os demais Núcleos do Sindicato, a orientação é a de que se unam as atividades regionais.
Há 22 anos, o Grito tem levado milhares de pessoas às ruas. A atividade deste ano, organizada por entidades sindicais, movimentos sociais e pastorais sociais, tem como objetivo denunciar para a sociedade uma série de violações desencadeadas pelo sistema.

Uma história de luta contra a exclusão

O 1º Grito dos Excluídos aconteceu em 1995, motivado pelo tema da Campanha da Fraternidade daquele ano. Resultado de um processo e compromissos coletivos, o movimento é hoje uma manifestação popular carregada de simbolismo.
Desde 1999, a atividade rompeu fronteiras e acontece também em outros países das Américas.
A mobilização busca “valorizar a vida e anunciar a esperança de um mundo melhor, construindo ações, a fim de fortalecer e mobilizar pessoas para atuar nas lutas populares e denunciar as injustiças e os males causados pelo modelo econômico neoliberal e excludente, ocupando ruas e praças por liberdade e direitos”.

 Fonte: CUT-RS

 

Notícias relacionadas