20 anos sem Brizola: político deixou legado para a luta democrática e em defesa da educação


Há 20 anos, perdíamos Brizola, uma figura pública sem igual no Brasil. Nenhum outro líder deixou um legado tão marcante na educação como ele. Desafiando a pobreza, a indiferença das elites e o descaso do Estado, Brizola transformou a educação em uma cruzada heroica, digna da história de cidadania que construiu ao longo de quase 60 anos de vida pública.

As escolinhas do Brizola espalhadas pelo Rio Grande do Sul, conhecidas como brizoletas, são símbolos dessa luta incansável. Pequenos prédios de madeira erguidos nos campos, vilas e cidades distantes, garantiram que nenhuma criança gaúcha enfrentasse a carência educacional que ele próprio conheceu. “Nenhuma criança sem escola” tornou-se seu lema inabalável desde que assumiu a prefeitura de Porto Alegre em 1955 e posteriormente o governo do estado.

Entre 1959 e 1961, 6.302 escolas foram construídas e equipadas, impulsionando o RS para a vanguarda da educação brasileira e elevando o orgulho de toda uma nação. Mesmo durante o golpe militar de 1964, Brizola destacou-se pela bravura ao defender a democracia, resistindo aos desmandos autoritários e mantendo vivos os ideais democráticos que tanto defendia.

Legado

Leonel Brizola teve sua trajetória profundamente influenciada por uma infância de privações no Rio Grande do Sul, conforme destacam pesquisadores dedicados ao estudo de sua vida. Governador de seus estados natais e do Rio de Janeiro, Brizola foi um defensor ferrenho do trabalhismo e dos direitos estabelecidos pela Consolidação das Leis do Trabalho.

Para Brizola, a educação representava não apenas um direito, mas a chave para a construção de uma sociedade menos desigual. Durante seus mandatos no Rio Grande do Sul (1959-1963) e no Rio de Janeiro (1983-1987 e 1991-1994), ele priorizou políticas educacionais inovadoras, como escolas de tempo integral. Segundo o historiador Adriano de Freixo, essa preocupação de Brizola continua relevante para os pesquisadores educacionais contemporâneos no Brasil, apesar das resistências enfrentadas na época.

A implementação das escolas em tempo integral foi um marco de sua gestão, embora tenha enfrentado oposição de diversos setores. Este aspecto, conforme destaca Freixo, foi central no pensamento de Brizola e contribuiu significativamente para a redução do analfabetismo, com a construção de mais de seis mil instituições educacionais pelo país.

A vida pessoal de Brizola também é notável: criado por uma mãe que o alfabetizou após o assassinato de seu pai, ele iniciou sua jornada educacional aos 14 anos em uma escola técnica em Viamão, próxima a Porto Alegre, e mais tarde se formou em engenharia universitária.

No Rio de Janeiro, Brizola deu continuidade ao seu compromisso com a educação integral ao implementar os Centros Integrados de Educação Pública (Ciep), uma iniciativa inspirada no antropólogo Darcy Ribeiro. Esses centros se tornaram uma referência nacional pela abordagem integrada de educação.

Assim, o legado de Leonel Brizola não se restringe apenas à política, mas também ao impacto duradouro de suas políticas educacionais, que continuam a inspirar estudiosos e educadores no Brasil contemporâneo. Seu espírito persiste em cada escola que ele construiu e em cada vida que ele transformou. Brizola vive em nossa memória e em nossos corações!

Notícias relacionadas