Último Conselho Geral de 2018 define mobilizações da categoria para o próximo período xaxaxaxa axaxaxaxaxa cacacaca cacacaca cacacacac acacacaca acacacaca acaca acaca acaca acacacaca acacaca acacac


No último Conselho Geral do ano, realizado nesta sexta (21), os conselheiros do CPERS deliberaram sobre as ações da categoria para o próximo ano.

A presidente do Sindicato, Helenir Aguiar Schürer, na abertura do Conselho fez um balanço sobre os quatro anos de massacre aos(as) educadores(as), protagonizado pelo governo Sartori (MDB). Também alertou sobre o próximo governo, de Eduardo Leite (PSDB), que tem o mesmo projeto de Sartori e, inclusive, já incluiu o MDB em sua base.

Outra situação destacada pela presidente do Sindicato é a necessidade de a categoria estar preparada, unida e mobilizada para os necessários enfrentamentos na Assembleia Legislativa. “Para a nova legislatura teremos uma dificuldade muito maior, pois dentro da Assembleia teremos apenas 13 votos contrários aos projetos do governo. Precisaremos de todos e todas para fazer a pressão necessária. Em tempos difíceis, temos que estar muito fortes e unidos para continuar a resistência”, observou.

A presidente também alertou aos(as) conselheiros(as) sobre a importância de todos(as) conhecerem a fundo o Plano de Carreira da categoria, visto que o governador eleito, Eduardo Leite, já acena com possíveis mudanças.

Quanto aos contratos emergenciais, Helenir relatou que a categoria poderá ser chamada a qualquer momento, provavelmente em janeiro, pois há previsão de que o projeto volte à votação na Assembleia Legislativa.

Confira as mobilizações aprovadas:

  1. Construção de campanha salarial: 26,47% emergencialmente, salário em dia, Piso Salarial Nacional e defesa dos Planos de Carreira;
  2. Realização de audiências públicas nos municípios, articuladas com as Câmaras de Vereadores, universidades, movimento sindical e movimentos sociais populares na luta contra a Reforma da Previdência;
  3. Fortalecer e aproximar o diálogo com as direções das escolas no intuito da luta em defesa da escola pública e valorização dos(as) trabalhadores(as) em educação:

-Carta aos diretores(as) e Vices diretores(as) eleitos(as) a ser entregue no dia da posse e nas escolas;

-Encontro com as direções das escolas por núcleo e/ou municípios;

-Visita das direções de núcleos nas escolas.

  1. Realização de Conselho Geral no dia 15 de fevereiro, com lançamento das campanhas de associação e valorização do CPERS, deliberação de data e local do X Congresso Estadual do CPERS/Sindicato, bem como indicação de Assembleia Geral da categoria;
  2. Construção junto a Frente Brasil Popular – FBP para organização e preparo do calendário de mobilizações do primeiro semestre, bem como da participação na III Conferência Nacional da FBP e da organização na Plenária Estadual que acontecerá em abril;
  3. Os núcleos devem fazer a pressão nas Coordenadorias Regionais de Educação – CREs para a aprovação dos Projetos de Lei – PLs de renovação dos contratos emergenciais;
  4. Participação do CPERS na construção dos movimentos que visem a unificação das lutas em defesa dos direitos dos trabalhadores(as) e garantias das liberdades democráticas.

Notícias relacionadas