Inflação para as famílias mais pobres é o dobro daquela enfrentada pelas famílias de maior renda


Informe do Dieese com base em dados divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), aponta que a taxa de inflação enfrentada pelas famílias mais pobres (6,75%) no Brasil é o dobro em relação às de maior renda (3,43%).

>> Confira a íntegra da análise aqui

A diferença se deve à pesada alta nos preços dos alimentos, que impactam mais no orçamento de famílias de menor renda, e à baixa no preço dos serviços, mais consumidos pelas faixas de maior poder aquisitivo.

As famílias mais pobres gastam cerca de 25% do seu orçamento com alimentos, enquanto os mais ricos gastam menos de 10%.

O indicador divulgado pelo Ipea divide as famílias brasileiras em seis faixas de renda e avalia como a inflação afeta, mês a mês, cada um desses grupos. Na tabela abaixo a variação dos últimos doze meses fica evidente.

Setores de renda baixa e de renda média-baixa, onde se enquadra a maior parte dos educadores(as) da rende estadual, também sofrem com taxas de 1,6 a 1,8x maiores do que os setores de renda alta.

Os trabalhadores(as) da educação estão há mais de SEIS ANOS sem qualquer reposição. Somente as perdas inflacionárias já corroeram 40% do poder de compra da categoria.

Os professores(as) e funcionários(as) de escola estão entre os servidores(as) mais mal pagos do Rio Grande do Sul e sentem na pele a combinação de arrocho e alta de preços.

Queremos respeito e salário digno!

#ReposiçãoJá!

Notícias relacionadas