Encontro Regional dos Aposentados na capital destaca o fortalecimento da luta contra o pacote do governo


Nesta quarta-feira (20), ocorreu o Encontro Regional dos Aposentados dos núcleos 38 e 39 (Porto Alegre), 13º (Osório) e 22º (Gravataí). Reunidos na sede do sindicato, em Porto Alegre, eles acompanharam a análise da assessoria jurídica da entidade e da direção central sobre o pacote do governo Eduardo Leite que, se aprovado, acabará com direitos históricos da categoria. No decorrer do dia, também participaram de atividades culturais e do Desafio de Danças Folclóricas do Brasil, proposto aos 42 núcleos do CPERS pelo Departamento dos Aposentados.

Ao dar início as atividades do dia, a diretora do 39º núcleo, Christiane Ribeiro Gomes, agradeceu a presença de todos e destacou o papel de cada um na trajetória do sindicato. “É com muito orgulho que realizamos este encontro hoje, pois muitos dos nossos direitos foram conquistados através das lutas que vocês fizeram. Muito obrigada!”.

“Nossa história corre o risco de ser apagada pelos ataques do governo. Porém, isso não tem que nos desanimar, pelo contrário. Para que a nossa trajetória não seja apagada, temos que seguir firmes em nossa justa luta. O papel dos nossos núcleos é muito importante neste momento para mobilizar os colegas aposentados, pois eles serão brutalmente atingidos pelos projetos do governo”, pontuou a diretora do departamento dos aposentados do CPERS, Glaci Weber.

“É um presente da vida participar deste Encontro hoje. Vocês são exemplos de força e luta e nos inspiram para seguirmos em frente com coragem”, disse o segundo vice-presidente do CPERS, Edson Garcia, que também lembrou ao público a significativa data comemorada hoje, o Dia da Consciência Negra. “Hoje, não é um dia de lamento, é um dia de consciência. Muita gente ainda questiona a nossa cultura, mas seguimos firmes pela luta de Zumbi, Dandara, pelos nossos ancestrais e pela resistência do nosso povo. Nossa resistência é diária e não nos fragiliza, nos deixa cada vez mais fortalecidos”, destacou.

Análise da conjuntura ressalta as consequências do pacote de maldades do governo

A primeira vice-presidente do CPERS, Solange Carvalho analisou a situação atual do magistério público estadual diante do descaso do governo e salientou que a situação irá piorar severamente se o projeto do Executivo for aprovado.

“Nós temos o segundo pior salário do Brasil. Todos os meses, devido ao parcelamento e o atraso dos salários, temos que fazer empréstimo para pagar o nosso próprio salário e depois ainda pagar juros. Por isso, a nossa greve é tão importante. Os colegas estão lotando as Câmaras de Vereadores e cresce o número de municípios que nos apoiam contra o projeto. Nós defendemos a escola pública porque sabemos a importância dela. Se não for no ensino público onde os filhos dos trabalhadores irão estudar?”, questionou.

Os projetos que integram o pacote de maldades do Executivo preveem alterações significativas no Plano de Carreira, na Previdência e no Estatuto dos Servidores (Lei 10.098). “Os aposentados que recebem a partir de um salário mínimo passarão a pagar alíquotas que podem chegar a 16,32% de seus salários. Todos serão penalizados com as medidas previstas no pacote”, explicou o advogado Marcelo Fagundes, da assessoria jurídica do CPERS, representada pelo escritório Buchabqui e Pinheiro Machado, que detalhou os reflexos do pacote.

“Se está aumentando cada vez mais a arrecadação do imposto, como o governo quer dizer que não tem dinheiro e ainda colocar a culpa pela crise financeira do estado nos educadores?”, questionou.

Durante a tarde ocorreu a apresentação dos grupos de dança. Após a análise dos jurados, o grupo Maracatu “As Sempre Ativas”, representante do 39º núcleo (Porto Alegre), foi selecionado para a etapa estadual do Desafio da Dança.

Na ocasião, Glaci fez a leitura da Carta dos Aposentados que foi aprovada por unanimidade pelo público.

O próximo Encontro Regional ocorre no dia 27, no núcleo de Santiago. Além dos educadores da região, a iniciativa abrangerá também os núcleos de Alegrete, Uruguaiana, São Borja e São Luiz Gonzaga.

 

Notícias relacionadas