Educadores(as) sem dinheiro para chegar ao local de trabalho receberão abono de falta para posterior recuperação


Professores(as) e funcionários(as) de escola que, devido ao 35º mês consecutivo de salários atrasados, não têm condições de arcar com o deslocamento até a escola, terão suas faltas abonadas neste mês para posterior recuperação. A garantia foi conquistada pela direção central do CPERS junto à Seduc na tarde desta segunda-feira (5), em audiência entre a presidente do Sindicato, Helenir Aguiar Schürer, e Ronald Krummenauer, secretário de Educação.

Pela primeira vez desde o início do parcelamento de salários, em outubro nenhum(a) servidor(a) recebeu dentro do mês. A folha deve começar a ser paga apenas no dia 12 de novembro, o que torna ainda mais grave a situação de miserabilidade e o sofrimento psíquico dos(as) educadores(as).

Há tempos o Sindicato denuncia casos de trabalhadores(as) que não têm recursos para chegar ao próprio local de trabalho, mas o atraso recorde eleva o problema a níveis drásticos. Após discutir o assunto em reunião, os(as) integrantes da direção central decidiram interromper a mesa de debate para se dirigir à Seduc e exigir uma solução urgente. Ronald aceitou receber Helenir em seu gabinete e se comprometeu a comunicar as CREs sobre o abono para posterior recuperação.

Notícias relacionadas