CPERS e FSP encerram terceira semana de plenárias por salário digno e em defesa do IPE Saúde


Nesta quarta-feira (7), os encontros promovidos pelo CPERS e as demais entidades que compõem a Frente dos Servidores Públicos foram realizados em Canoas, Porto Alegre, Viamão, Guaíba e Caxias do Sul.

As plenárias e audiências públicas, nas Câmaras Municipais de Vereadores, têm o objetivo de mobilizar o funcionalismo público estadual para a luta pela revisão geral dos salários e para barrar o PLC 259, projeto do governo Eduardo Leite (PSDB) que “reforma” o IPE Saúde.

A proposta é extremamente prejudicial aos servidores(as) de todas as categorias, que após anos de arrocho salarial, poderão ser novamente punidos com o aumento da contribuição ao Instituto.

Durante a audiência em Canoas, promovida pela vereadora Maria Eunice (PT), a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, reforçou que a culpa da crise do IPE Saúde não é dos servidores(as). 

“A crise financeira pela qual passa o IPE Saúde é notória, mas ela não pode recair sobre os servidores. A culpa dessa crise é dos últimos governos, que com a sua política de arrocho salarial, levaram o Instituto à situação em que se encontra. Precisamos seguir unidos e fortes e realizar um grande ato em Porto Alegre para mostrar ao governo que não aceitaremos mais nem um desconto em nossos contracheques”. 

“É urgente que o governo pague imediatamente a dívida que tem com o IPE Saúde e, da mesma forma, que pague o reajuste integral da inflação aos servidores estaduais. Temos que reafirmar que quem deve é o governo”, destacou a vereadora de Canoas, Maria Eunice (PT). 

Também participaram da audiência representantes da AFOCEFE, ABAMF, SINDJUS/RS e do SINDTCE/RS. 

Na capital, o 1° vice-presidente do CPERS, Alex Saratt, destacou que somente uma mobilização massiva impedirá que o PLC 259 seja aprovado. “Esses encontros, promovidos pela Frente dos Servidores, são de extrema importância. Esse é o momento para nos organizarmos para lotar a Praça da Matriz nos dias 14 e 20. Esse espaço serve também para reforçarmos que esse projeto não é negociável, nós rechaçamos essa proposta em sua integridade. Para resolver a crise do IPE Saúde, o governo precisa promover política salarial e não mais descontos”, destacou. 

Estavam presentes na plenária de Porto Alegre, também representando o CPERS, o diretor Amauri Pereira, a diretora do 38° Núcleo, Terezinha Bulle, a diretora do 39° Núcleo, Neiva Lazzarotto, e representantes do Sindicaixa, Sindppen, Afocefe, Sindjus, Aspge e Aprojus. 

Durante plenária na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul, a secretária-geral do Sindicato, Suzana Lauermann, deixou claro que diante da impossibilidade de suportar o impacto financeiro causado pelo aumento na contribuição do IPE Saúde, os trabalhadores(as) podem ser forçados a migrar em massa para o SUS, sobrecarregando ainda mais este sistema de saúde pública.

“São mais de um milhão de servidores, que contam com a assistência médica e hospitalar do Instituto, que correm o risco de serem abandonados à própria sorte por não conseguirem suportar esses novos custos. Não podemos aceitar mais esse ataque do governo”, asseverou.

O congelamento dos salários é diretamente responsável pelo déficit que o Instituto enfrenta. É urgente que o governo reconheça a necessidade de remuneração justa.

Do CPERS, também estavam presentes, a diretora Juçara Borges, David Orsi Carnizella, diretor do 1⁰ Núcleo, e Solange Carvalho, vice-diretora do 1⁰ Núcleo. Participaram ainda representantes do Sindjus, do Sindsepe e do Sindicaixa, o deputado estadual Pepe Vargas (PT), além das vereadoras Estela Balardin (PT) e Rose Frigeri (PT).

A diretora do CPERS, Sandra Régio, e o advogado da assessoria jurídica do Sindicato, Marcelo Fagundes, participaram da plenária do 22° Núcleo (Gravataí), em Viamão. 

“Cada um que está aqui tem que ser um multiplicador das informações repassadas e também auxiliar na mobilização, para que o maior número de pessoas estejam em Porto Alegre no dia da votação do projeto. Nossa luta só aumenta e no dia em que esse projeto cruel for para a Assembleia Legislativa, estaremos lá para impedir mais esse ataque brutal do governo”, conclamou Sandra. 

A diretora do 22° Núcleo, Leticia Coelho Gomes, também participou do encontro. 

Durante o encontro em Guaíba, o diretor do CPERS, Leonardo Preto Echevarria, destacou que a reforma do IPE Saúde tramita em regime de urgência na Assembleia Legislativa, e deve ser votada no dia 20 de junho. “Nesse dia, temos que estar presente e chamar todos e todas para realizar uma grande unidade com todos os servidores estaduais. Vamos lutar em todas as frentes para não deixar que esse projeto passe”, afirmou.

A diretora do CPERS e representante do Sindicato no Conselho de Administração do IPE Saúde, Vera Lessês, salientou que o PLC 259 atacará em cheio o bolso dos servidores(as) que recebem menos. “Precisamos prestar atenção nas tabelas de dependentes, pois é onde vamos ser mais atingidos. Não temos como tirar mais dinheiro do nosso bolso. Por isso, temos que lutar, para que o projeto não passe na Assembleia Legislativa”, frisou a diretora

A diretora do 34º núcleo, Daniela Peretti, também participou da plenária. 

Na próxima semana, CPERS e FSP estarão novamente na estrada com audiências públicas e plenárias em vários pontos do Rio Grande do Sul, mobilizando todas as categorias para a resistência. Clique aqui e confira os locais e datas dos encontros. Contate seu núcleo, participe das atividades e mobilize-se! Essa conta não é nossa! 

 

Notícias relacionadas