Ausente durante toda a pandemia, ministro da Educação ressurge para mentir em rede nacional


Nesta terça-feira (20), o ministro da educação, Milton Ribeiro, que até então pouco aparecia, fez um pronunciamento em rede nacional conclamando o retorno das aulas presenciais em todo o país.

A atitude de Ribeiro infelizmente não causa estranheza. Mas surpreende por se dar apesar da absoluta inépcia do MEC na gestão da educação do período pandêmico.

A rede básica não recebeu um centavo a mais para as adaptações necessárias à proteção da comunidade escolar. Recentemente, o governo Bolsonaro tentou vetar projeto que ampara alunos(as) da rede pública com Internet gratuita.

Ao contrário do que disse Ribeiro em rede nacional, protocolos sanitários não foram criados e sequer discutidos no âmbito do Ministério. Também não foram considerados os crônicos problemas estruturais das escolas públicas do país, muitas sequer com pias e banheiros em funcionamento.

Os gastos totais com o programa Dinheiro na Escola, em 2020, foram os menores ao menos desde 2015, ficando acima apenas do primeiro ano da gestão Bolsonaro. O valor divulgado pelo ministro – na ordem de R$ 1,7 bilhão para o enfrentamento da Covid-19 nas escolas, não tem respaldo em dados oficiais.

Por fim, nunca é demais repetir; Milton Ribeiro pertence a um governo que, desde o início da pandemia, trabalhou a favor do vírus e, recentemente, se vê envolvido em corrupção e propina ao invés de vacina.

O CPERS segue defendendo a vida e a retomada das aulas presenciais apenas com absoluta segurança sanitária, EPIs adequados, imunização e mais recursos físicos, humanos e financeiros para as redes básicas.

Não vamos admitir que mais vidas sejam ceifadas pela precipitação de negligência de governos que não priorizam a vida.

 

Notícias relacionadas