18º Núcleo comemora um ano do projeto de educomunicação com lançamento de jornal


Com o objetivo de desenvolver a integração entre a educação e a comunicação, o 18º Núcleo do CPERS – Santa Cruz – realizou em parceria com escolas estaduais da região o projeto de educomunicação. Como resultado da iniciativa foi lançado recentemente o jornal impresso Fala Galera. A presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, o tesoureiro da entidade, Mauro Calliari e o diretor do Departamento da Juventude, Daniel Damiani, participaram do lançamento.

O jornal é fruto do trabalho realizado ao longo de um ano, que envolveu o 18º Núcleo e as escolas estaduais de Ensino Fundamental Bruno Agnes e de Ensino Médio Nossa Senhora da Esperança, de Santa Cruz do Sul; de Educação Básica Borges de Medeiros, de Encruzilhada do Sul; e de Ensino Médio Crescer, de Venâncio Aires, localizadas na região de abrangência do Núcleo.

“Ao realizar oficinas sobre como se produz notícias, os estudantes foram levados a tornarem-se protagonistas de narrativas para os meios de comunicação no ambiente escolar e avançaram na construção da autonomia e da ação participativa, desenvolvendo uma nova prática de aprendizagem”, salientou a coordenadora do projeto e doutora em comunicação social, Veridiana Mello.

“Essas escolas não foram escolhidas aleatoriamente, era onde tínhamos professores parceiros, engajados na proposta, que nos ajudaram a realizar o projeto. Além disso, se encontram na periferia das cidades, exceto a Borges de Medeiros, de Encruzilhada do Sul, que está no interior”, explicou o outro coordenador e secretário do 18º Núcleo, Elbe Belardinelli.

Durante o ano de 2018 foram ministradas várias oficinas de jornalismo para os estudantes do 7º, 8º e 9º anos do Ensino Fundamental das escolas participantes. Os adolescentes produziram jornais murais nas escolas, com as notícias reproduzidas no jornal impresso.

 Rádio Livre

O projeto também ensinou aos(as) alunos(as) como produzir programas de rádio. Os assuntos escolhidos para as pautas do jornal e da rádio têm relação direta com a realidade dos adolescentes e o mundo que os cerca. Como é escolhida a merenda escolar, por que a escola não está bem cuidada, por que tanta gente sofre de depressão, pesquisa sobre o racismo, brincadeiras de rua de antigamente, violência contra a mulher, o que é bullying, visita dos estudantes a uma aldeia indígena, o grupo de rap que nasceu na escola e o que é feminicídio estão entre os assuntos abordados.

No mesmo dia do lançamento do jornal, os alunos realizaram uma rádio livre no pátio da escola. O programa produzido e apresentado pelo oitavo e nonos anos foi sobre a ditadura militar, dando início ao projeto em 2019. Participaram como entrevistados do programa os jovens repórteres, o professor de Sociologia da Unisc, Caco Batista, o diretor do Departamento da Juventude do CPERS, Daniel Damiani e também o professor da EFASOL e músico, Roberto Pohlmann, que cantou composições de resistência à ditadura.

Helenir parabenizou o Núcleo pelo trabalho com as quatro escolas da região. “Lutamos, acreditamos e trabalhamos todos os dias para qualificar a escola pública. Quero destacar o desempenho dos alunos no programa de rádio e externar minha alegria em ver esta atividade. Eu acredito que a escola de qualidade é possível com o empenho de todos”, ressaltou.

A diretora do 18º Núcleo, Cira Kaufmann, salientou que o Sindicato tem a função de fazer a defesa salarial, mas vai além disso, ele deve lutar para qualificar a escola pública. “Quando vamos para as escolas fazer educomunicação estamos qualificando-as. Ver os alunos fazerem o lançamento do jornal e o programa de rádio foi muito gratificante, mostra que eles têm muita capacidade”, avaliou.

 

 

Notícias relacionadas