CPERS denuncia, em coletiva de imprensa, boicote do governo Sartori (PMDB) a recuperação de dias letivos


COLETIVA CALENDÁRIO ESCOLAR 1

A Direção Central do CPERS denunciou, em coletiva de imprensa, na manhã desta quinta-feira, dia 25, que o governo Sartori (PMDB) não está respeitando o calendário de recuperação dos dias letivos apresentado pelas direções de escolas e aprovado pelo Conselho Escolar, que é composto por professores, pais e alunos.
Mesmo após ter firmado um acordo de final de greve com o CPERS, o qual destacava a autonomia das escolas, baseada na Lei de Gestão Democrática, para a recuperação dos dias letivos, o governo não cumpre com o que foi acordado e está colocando em risco o ano letivo dos estudantes.
As direções das escolas querem utilizar os sábados para realizar a recuperação das aulas. No entanto, o governo limita a utilização de apenas cinco sábados. O calendário escolar para recuperar as aulas foi elaborado pelas escolas e aprovado pelo Conselho Escolar, logo após o encerramento da greve dos educadores. O governo não validou muitos destes calendários. Ou seja, está desrespeitando a comunidade escolar, que é a maior interessada na recuperação das aulas.
Helenir frisou que, por Lei, os educadores não são obrigados a trabalhar aos sábados, pois não ganham hora extra e, muito menos, seus salários em dia. Conforme previsto em Lei, o trabalho dos professores e funcionários de escola ocorre de segunda a sexta-feira. “Por pensarmos em nossos estudantes, estamos recuperando as aulas aos sábados. Porém, se o governo não oficializar que utilizemos todos os sábados para a recuperação, as aulas podem ir até metade de fevereiro. Contando com o direito que temos a 45 dias de férias, dessa forma, as aulas iniciariam por volta de abril. Mas, se trabalharmos todos os sábados, que é o que queremos, recuperaremos as aulas até metade de janeiro. Nós temos toda a disposição para isso, pois pensamos em nossos alunos. Agora, está na mão do governo”, afirmou, lembrando que na tarde de hoje o CPERS reúne-se com o secretário de Educação, Luis Alcoba, para tratar desta questão.

Orientações diferentes para as CREs

Na ocasião, Helenir também apontou que os Núcleos do Sindicato têm informado que estão sendo repassadas orientações diferentes para as Coordenadorias Regionais de educação – CREs. “Vamos exigir do secretário uma explicação para isso, pois não há lógica. Parece que não tem quem dirija a Secretaria de Educação. A cadeira da seduc está acéfala”, declarou.
Para finalizar, a Direção Central do CPERS reforçou que historicamente os educadores sempre tiveram uma postura responsável e realizaram a recuperação das aulas, pois preocupam-se com seus estudantes. A mesma postura, não se pode afirmar por parte do governo do Estado que demonstra, mais uma vez, o descaso com a educação pública e sua intransigência com os educadores gaúchos.
“Este é um governo que não cumpre acordos. As assinaturas dos secretários não têm significado nenhum, Sartori não respeita a assinatura do chefe da Casa Civil e do secretário da Educação no acordo de final de greve. Sartori desconhece a vontade da comunidade escolar que validou o calendário escolar. Os professores querem recuperar as aulas, mas o governo Sartori não deixa”, afirma Helenir.

 

Notícias relacionadas