CNTE cobra que deputados federais mantenham despesas com o Fundeb fora dos limites do arcabouço fiscal


Senhores(as) Deputados(as),

Os trabalhadores e as trabalhadoras em educação das escolas públicas brasileiras solicitam a Vossas Excelências a manutenção do PL nº 93/2023, aprovado no Senado Federal e que trata do Novo Regime Fiscal em substituição à EC 95/2016.

Na condição de Casa revisora e ouvindo diversos setores da sociedade, o Senado incorporou importantes contribuições ao texto inicial da Câmara dos Deputados, dando ênfase ao pacto federativo e às políticas estratégicas para o desenvolvimento do país. Entre as alterações constam as supressões no limite de gastos da União do fundo constitucional do Distrito Federal (DF), dos investimentos em Ciência e Tecnologia e da complementação ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB), lembrando que este último sequer chegou a integrar a EC nº 95.

A educação básica pública do Brasil e seus profissionais consideram pertinentes as mudanças feitas no Senado e, em respeito ao processo parlamentar democrático e aos interesses da sociedade brasileira, clamam pela manutenção das referidas alterações neste momento em que o projeto retorna à Câmara dos Deputados.

Desde a aprovação da EC nº 126/2022, que recompôs o orçamento federal 2023 e apontou a substituição da EC nº 95 por outro regime fiscal, que precisa ser mais aderente às necessidades do país, a economia tem dado sinais de recuperação e várias políticas públicas foram retomadas no sentido de reparar o caos imposto pelo teto de gastos de 2016. Não se pode correr o risco de travar novamente o país com regramentos fiscais que irão impor mais arrocho à sociedade do que os já programados pelo texto do PL nº 93/2023, do Senado.

O FUNDEB é essencial para manter os compromissos com a educação básica – sem estrangular os investimentos em outras áreas sociais –, assim como os investimentos em Ciência e Tecnologia são indispensáveis para destravar o desenvolvimento sustentável, inclusivo e duradouro no país. A Câmara dos Deputados precisa confirmar seu apoio à proposta que melhor atende aos interesses do Brasil e de seu povo.

Pela confirmação da exclusão do Fundo Constitucional do DF, do FUNDEB e da Ciência e Tecnologia do novo arcabouço fiscal!

Em defesa da soberania e do equilíbrio fiscal, com mais igualdade social!

Brasília, 3 de julho de 2023
Diretoria da CNTE

Fonte: CNTE

Notícias relacionadas