Mais de 300 escolas estaduais do RS não possuem banheiro e somente 26% têm água potável


Das 2.410 escolas da rede estadual de educação, somente 26,2% fornecem água potável e 328 sequer possuem banheiro em suas dependências.

Os dados são do Censo Escolar 2020, analisados pelo Dieese. Além de jogarem luz sobre a dimensão do descaso do Estado com a educação pública, as informações ganham relevância com a retomada do debate sobre as aulas presenciais em meio à pandemia.

O Dieese destaca que 86,3% das escolas contam com abastecimento da rede pública, mas que não há garantias de que a água seja apropriada ao consumo humano.

A precariedade da rede também é evidenciada pela falta de esgotamento sanitário, que chega a apenas 54,8% das escolas.

Outro destaque é a carência de acessibilidade: 69,8% das instituições não possuem banheiro adaptado ao uso de alunos(as) com deficiência ou mobilidade reduzida.

Pandemia e desigualdade

O CPERS apresenta estes números na expectativa de que sejam considerados no debate sobre a retomada das aulas presenciais, contaminado por chavões vazios como a suposta preocupação em “combater a desigualdade” entre as redes pública e privada.

Tal justificativa, que embasa a tentativa de forçar a presença de estudantes, desafia a inteligência de quem conhece a rede estadual; escolas sucateadas, com estrutura precária, deficitária em recursos humanos e sem condições de cumprir os protocolos sanitários.

Uma política real de redução das desigualdades passa por investimentos consistentes na manutenção e qualificação dos equipamentos públicos que compõem a rede, bem como na valorização dos educadores(as), que já amargam perdas salariais que corroeram 40% do poder de compra da categoria em seis anos.

O Sindicato apela aos integrantes do Gabinete de Crise que tenham o bom senso de rejeitar a proposta do Sinepe/RS e pleiteiem junto ao governo melhores condições para um retorno seguro: priorizar a vacinação de educadores(as) e prover EPIs, recursos humanos e financeiros e testagem em massa a toda a comunidade.

Leia também:

>> Presença obrigatória nas escolas atenta contra o direito à vida de pais e estudantes
>> Ensino privado do RS tem maior concentração de alunos por turma do Brasil
>> Exterminador do futuro: Eduardo Leite fechou 61 escolas em apenas 9 meses, 3x mais rápido do que Sartori

Notícias relacionadas