CPERS participa da IV Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres


marcha das mulheres

A Direção Central do CPERS, e educadoras de diversos Núcleos do Sindicato participaram da IV Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres. O evento realizado nos dias 26, 27 e 28 de setembro, nas cidades de Santana do Livramento e Rivera, reuniu cerca de 500 mulheres do Brasil, Argentina e Uruguai, para atividades de formação, intercâmbio, cultura e mobilização. O encontro teve como eixo central o direito à autonomia das mulheres no Brasil, Argentina e Uruguai.
A IV Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres intitulada “Primavera do Direito ao Corpo e à Vida das Mulheres”, tem como objetivo fortalecer a luta das mulheres e construir de forma coletiva às práticas e propostas de um mundo baseado na igualdade, liberdade, justiça, paz e solidariedade.
No sábado, dia 26, foram realizados debates sobre a conjuntura e estratégias de resistência diante das diferentes barreiras impostas pelo patriarcado no Brasil, Uruguai e Argentina. A feminista Maru Casanova, do movimento Mujer y Salud en Uruguay (MYSU), palestrou no primeiro painel com o tema, “A conjuntura de descriminalização e despenalização do aborto na Argentina, Brasil e Uruguai”. O segundo painel, “Feminismo por um mundo livre de machismo, da violência e da lesbifobia”, teve a participação de Ana Naiara Malavolta (MMM-RS), Sabrina Gops (Pañuelos em Rebeldia- Argentina) e Maria Apellido (Feminista Autoconvocadas – Alerta Feminista – Uruguai). Já no dia 27, domingo, foram realizadas oficinas variadas sobre: serviços públicos de informação, saberes populares e tradicionais, saúde e ginecologia, mercantilização, controle e medicalização do corpo da mulher, identidade de gênero e políticas públicas e mulheres negras.
Na segunda-feira, dia 28, brasileiras, uruguaias e argentinas concentraram-se às 9h, no Parque Internacional, em Santana do Livramento, e seguiram em caminhada na “Marcha Feminista Trinacional”. Com cartazes, faixas, bandeiras e palavras de ordem, as manifestantes reivindicaram o direito e a autonomia da mulher sobre seus corpos e vidas.
A diretora do CPERS, Íris de Carvalho, destaca a importância da ação como sendo um espaço de promoção do intercâmbio de ideias e reafirmação da agenda de luta das mulheres feministas.

Notícias relacionadas