Carta Aberta aos ministros do STF e à sociedade brasileira


Excelentíssimos ministros do Supremo Tribunal Federal,

Nós, aposentadas e aposentados do CPERS, estamos diante do julgamento da ADI 6254, que afeta diretamente milhares de educadoras e educadores aposentados do Rio Grande do Sul.

Durante anos, dedicamos nossas vidas ao ensino, à formação de gerações e ao desenvolvimento da sociedade. Nossas carreiras foram pautadas pelo compromisso, pela paixão e pela dedicação às nossas comunidades escolares.

>> Pressione o STF pelo fim do confisco das aposentadas(os).

Hoje, porém, enfrentamos uma situação profundamente injusta e desumana: nossos modestos salários são ainda mais diminuídos pelos descontos previdenciários, onde somos obrigadas a escolher entre comer, pagar as contas ou os remédios.

É inadmissível que, após décadas de serviço, sejamos penalizadas(os) dessa forma. Este confisco compromete nossos rendimentos, nossa dignidade e nossa qualidade de vida, após tantos anos de contribuição incansável para o bem público.

Exigimos justiça e respeito pelos direitos que conquistamos ao longo de uma vida dedicada à educação. Não pedimos privilégios, apenas que nossos direitos sejam respeitados. É um apelo pela nossa sobrevivência digna, pelo reconhecimento de nosso esforço e pela valorização do legado que deixamos.

Aguardamos com esperança que o Supremo Tribunal Federal atue com celeridade e sensibilidade nesta questão fundamental para nós. Pedimos que considerem os aspectos legais, constitucionais, além do impacto humano e social dessa decisão em nossas vidas.

À sociedade brasileira, fazemos um apelo emocionado: apoiem-nos nessa luta por dignidade e respeito aos direitos adquiridos. Mobilizem-se conosco para que a voz das educadoras e educadores seja ouvida e valorizada no STF. Juntas e juntos, podemos mostrar que a arbitrariedade e o confisco de direitos não podem prevalecer em nosso país.

Contamos com a justiça e a sensibilidade de todos os envolvidos para que este momento marque um passo significativo na defesa dos direitos humanos e da dignidade de cada cidadã e cidadão brasileiro. Chega de confisco! É hora de reconhecer e valorizar o legado daqueles que dedicaram suas vidas ao ensino e à formação das futuras gerações!

Porto Alegre, 17 de junho, de 2024.

Notícias relacionadas