• Home  /
  • destaque   /
  • Unidos no parcelamento, servidores municipais e estaduais protestam diante da Prefeitura

Unidos no parcelamento, servidores municipais e estaduais protestam diante da Prefeitura

Unidos pelo atraso de salários, constantes parcelamentos e pela greve, centenas de servidores municipais, professores e funcionários de escolas estaduais, policiais civis, técnicos científicos, funcionários dos Correios, trabalhadores da Cooperativa de Trabalhadores Autônomos das Vilas de Porto Alegre (a Cootravipa, que faz o recolhimento de lixo seco na cidade) e representantes de outras categorias realizaram um ato unificado na manhã desta terça-feira (10) diante do Paço Municipal, em Porto Alegre.
Em greve desde a segunda-feira passada (2), o Sindicato dos Municipários se reuniu a partir das 9h com o vice-prefeito, Gustavo Paim (PP), e com uma comitiva de vereadores que assinaram ontem um documento pedindo que a Prefeitura retirasse o pacote de medidas que propõe mudanças no cálculo de triênios e dos valores a serem incorporados nos salários dos servidores, a extinção da licença-prêmio por assiduidade, alteração na dada de pagamento dos servidores e do 13º salário. A comissão de greve entrou para a reunião, mas a manifestação continuou do lado de fora.Em maior número, os municipários levaram máscaras e bonecos com o rosto do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) para pressionar a Prefeitura pela retirada de projetos encaminhados à Câmara de Vereadores e que dizem retirar direitos da categoria. Com o salário sendo pago parceladamente há quatro meses, cantavam palavras de ordem como: “Ô Marchezan, seu salafrário, cadê o nosso salário”.
Nas escadarias do Paço, um grupo de manifestantes depositou saco de lixos em referência ao pedido da Prefeitura de que a população deveria ser responsável pelo descarte de resíduos recicláveis enquanto durasse a paralisação da Cootravipa, responsável pela coleta seletiva da cidade. A greve dessa categoria foi encerrada ontem, mas os trabalhadores continuam sem receber.
Já os servidores do Estado, representados em maior número por professores e funcionários de escola, em greve desde 5 de setembro, alternaram os gritos contra Marchezan com palavras de ordem contra o governador José Ivo Sartori (PMDB). “Desocupa aí, fora Sartori, do Piratini”, diziam. Também havia representações dos policiais civis, em greve desde ontem (9) e de técnicos científicos, que paralisam a partir de amanhã (11). Por volta das 9h15, os trabalhadores ligados ao Cpers deixaram o ato e se dirigiram à Secretaria de Educação, onde iniciava uma reunião com o secretário Ronald Krummenauer.
O ato ainda contou com a participação de representações dos Correios, que encerraram greve na semana passada, da Procergs e de centrais sindicais. Presidente da CTB, Guiomar Vidor resumiu o protesto com uma frase: “Precisamos lutar contra o alinhamento dos infernos, Temer, Sartori e Marchezan”.

/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Ato unificado dos servidores municipais. Foto: Maia Rubim/Sul21
/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Ato unificado dos servidores municipais. Foto: Maia Rubim/Sul21

Fonte: Luís Eduardo Gomes/Sul21

 

Deixe seu comentário

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.