• Home  /
  • noticias   /
  • Servidores da UFRGS, da UFCSPA e do IFRS paralisam atividades e ocupam reitoria nesta terça (03)

Servidores da UFRGS, da UFCSPA e do IFRS paralisam atividades e ocupam reitoria nesta terça (03)

Servidores técnico-administrativos da UFRGS, da UFCSPA e do IFRS realizam, nesta terça (03), um dia de mobilização para protestar contra “graves ataques do Governo Temer contra o investimento em educação”. O ato ocorre também em diversas outras instituições federais de ensino público no país, em um movimento unificado. Em Porto Alegre, servidores ocupam o prédio da reitoria da UFRGS, que se encontra fechado desde o começo da manhã até este momento, com bloqueios nos portões. Não há, de acordo com o Sindicato dos Técnico-Administrativos (Assufrgs), movimentação da segurança universitária para romper o bloqueio.

“Estes trabalhadores podem vir a ter o seu incentivo à qualificação e até os seus salários congelados. Tudo devido a um projeto chamado de ‘carreirão’, uma proposta de carreira única para o serviço público”, disse a Assufrgs, em nota publicada ontem. Foto: Guilherme Santos/Sul21

A entidade de classe diz que servidores estão ameaçados de perder o Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação (PCCTAE). “Estes trabalhadores podem vir a ter o seu incentivo à qualificação e até os seus salários congelados. Tudo devido a um projeto chamado de ‘carreirão’, uma proposta de carreira única para o serviço público”, disse a Assufrgs, em nota publicada ontem.

O protesto ocorre também por conta da situação financeira dessas instituições de ensino, por conta de cortes de gastos que vêm sendo executados pelo governo federal. “Com a Emenda 95, antigo PEC 241, congelou os investimentos na educação pelos próximos 20 anos. Já temos reflexo desta decisão agora em 2017, com uma crise financeira que assola as universidades do país. Diversos Reitores do país já apontaram que acabaram as verbas do custeio até o final do ano. A própria secretaria executiva do MEC, do mesmo Governo golpista, se manifestou afirmando que a situação do custeio nas universidades é insustentável”, escreveu a Assufrgs.

A agenda de mobilização passa, além da ocupação do prédio da Reitoria da UFRGS, por um protesto chamado de “AlmoçATO”, que reunirá, às 12h, próximo ao Restaurante Universitário do Campus Centro, estudantes, docentes e trabalhadores terceirizados. A Assufrgs ainda realiza, às 14h, sua assembleia geral no vão da Reitoria.

Foto: Guilherme Santos/Sul21
Fonte: Sul21

Deixe seu comentário