• Home  /
  • destaque   /
  • Segundo dia da Caravana do CPERS reúne milhares de educadores para denunciar os ataques de Sartori

Segundo dia da Caravana do CPERS reúne milhares de educadores para denunciar os ataques de Sartori

Nesta sexta-feira (22), foi a vez dos Núcleos de Porto Alegre, São Leopoldo, Caxias do Sul, Passo Fundo e Santa Rosa receberem a Caravana do CPERS. Em todas os municípios, foram realizadas plenárias que reuniram educadores, pais, estudantes e a comunidade escolar para fazer um amplo debate sobre o descaso do governo Sartori com os educadores e a educação pública. Em todos os Núcleos, os educadores reafirmaram a Greve da categoria, que iniciou no dia 5 de agosto, já está com mais de 70% de adesão em todo Rio Grande do Sul e segue crescendo.
Durante as plenárias, professores e funcionários de escola ressaltaram o desrespeito do governo, que já parcelou o salário dos educadores e demais servidores por 21 vezes. O 13º também está sendo pago de forma parcelada. Arrocho salarial, defasagem do Piso do Magistério que já chega a 82,42%, enturmações, fechamento de mais de 2 mil turmas, falta de professores e funcionários em várias escolas, precarização e sucateamento da educação, insegurança e terrorismo com a categoria integraram a extensa lista de arbitrariedades do governo.
Em Passo Fundo, a plenária foi realizada na Câmara de Vereadores da cidade. Em sua fala, a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, destacou que a categoria está dando exemplo de resistência.  “Nossa greve tem nos enchido de orgulho.  Há cidades em que já chegamos a 80% de adesão e outras em que todas as escolas estão paradas”, relatou.
Helenir lembrou ao público sobre a última mesa de negociação realizada com o governo. Na ocasião, o chefe da Casa Civil, Fábio Branco, falou para o Comando de Greve que não se surpreendessem se ao final deste mês a categoria receber menos que R$ 350,00. “Imediatamente, respondi que eles não fiquem surpresos se não encerramos o ano letivo. Nossa greve continuará forte até que os parcelamentos dos nossos salários encerrem”, afirmou.
Durante a plenária, a presidente do Sindicato, alertou sobre denúncias que recebeu a respeito de direções de escola. “Tem diretores que estão dando o número do telefone particular dos educadores para os pais ligarem e pressionaram. Eles não podem fazer isso. É ilegal e uma vergonha, pois ao invés de estar ao lado da luta da categoria, defendem os que nos oprimem. Vamos começar a discutir que tipo de direção queremos em nossas escolas”, alertou.
A plenária contou também com a presença de representantes de outras categorias como bancários, comerciários, da saúde e dos Correios. Após o debate, os educadores tomaram as ruas centrais da cidade para denunciar o desrespeito do governo. Durante o trajeto, os professores e funcionários de escola foram até a 7ª CRE, onde deixaram adesivos da greve que formaram o número 21, referente as vezes em que Sartori parcelou os salários da categoria
Na manhã desta sexta-feira (22), os Núcleos 38º e 39º realizaram Plenária na Igreja da Pompéia em Porto Alegre. Professores e funcionários de escola mostraram a força da Greve com a plenária lotada. Entre muitos assuntos abordados durante o encontro. Os educadores ressaltaram a força da greve em todo o Estado e a importância da participação de professores, funcionários de escola, estudantes e a comunidade escolar na Assembleia Geral de Mobilização no dia 29, às 8h30 no Gigantinho.
Em São Leopoldo a Plenária de Mobilização ocorreu no Colégio São Luiz. A mobilização teve a participação de educadores, estudantes e a comunidade escolar. Logo depois os participantes saíram em caminhada até a 2ª Coordenadoria Regional de Educação da cidade, para denunciar os parcelamentos de salários, 13º, tentativas de retirada de direitos e o caos na educação pública gaúcha provocada pelo governo Sartori.
No 1º Núcleo – Caxias, educadores lotaram o auditório do Sindicato dos Metalúrgicos. Durante a plenária foram debatidos os ataques do governo Sartori aos educadores e a educação gaúcha. Logo após, saíram em caminhada até Praça Dante Alighieri, onde ocorreu Ato Unificado com os servidores dos Correios que também estão em greve. Estudantes e a comunidade escolar também participaram da mobilização.
O encontro dos educadores no 10º Núcleo – Santa Rosa aconteceu, às 14h no Salão Paroquial da Igreja Sagrado Coração de Jesus. Durante a Plenária educadores expuseram a indignação contra o governo Sartori, governo neoliberal que aplica as políticas do Estado mínimo no Rio Grande do Sul. Com bandeiras, cartazes, panfletos os educadores saíram às ruas até a Praça das Bandeiras denunciando o governo torturador de Sartori.

Apoio da população em todo o Estado
Em apenas dois dias de realização, a Caravana do CPERS reuniu milhares de educadores e teve o importante e fundamental apoio da comunidade escolar, estudantes, pais e população. Pelas ruas do Rio Grande do Sul, aplausos e palavras de apoio demonstravam que o povo gaúcho é solidário a luta da categoria.
A Caravana cumpriu sua primeira etapa, mas não irá parar. “Em breve, estaremos na estrada novamente. Não daremos sossego a este governo, até que ele respeite os educadores. Não recuaremos da luta enquanto o parcelamento dos nossos salários não cessar”, afirma a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer.
No dia 29, às 8h30, ocorre a Assembleia de Mobilização do CPERS para fortalecer ainda mais a paralisação dos educadores. Logo após, a categoria segue em caminhada até Largo Glênio Perez onde ocorrerá o Ato Unificados dos Servidores Públicos.


Porto Alegre



São Leopoldo


Caxias do Sul

 

Passo Fundo


Santa Rosa

 

 

 

Notícias Relacionadas

Deixe seu comentário

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.