• Home  /
  • destaque   /
  • Pressão dos educadores nos deputados garante retirada de quórum para não votação do PL 82/2018

Pressão dos educadores nos deputados garante retirada de quórum para não votação do PL 82/2018

Nesta terça-feira (19), dezenas de educadores e educadoras realizaram Vigília na Praça da Matriz contra o Projeto de Lei 82, o qual retira o representante do CPERS do Conselho Estadual do FUNDEB alocando um representante da CNTE.
Na sexta-feira (15), o governo encaminhou em regime de urgência o PL para a Assembleia Legislativa. A Direção Central do CPERS avalia que a decisão de retirar o Sindicato do conselho pode ser uma represália ao pedido feito pelo CPERS no ano passado de auditoria nas contas do FUNDEB e de como os recursos do fundo estão sendo aplicados.
Durante a manhã os professores (as) e funcionários (as) de escola dividiram-se em grupos e visitaram os gabinetes dos 55 deputados estaduais pedindo o voto contrário dos parlamentares. Nas visitas aos deputados, os educadores entregaram um documento assinado por Heleno Araújo, presidente do CNTE, dizendo que o sindicato constitui a “legítima seccional” da confederação no RS e que, portanto, deve integrar o conselho conforme determina a legislação.
Pela tarde a pressão continuou nas galerias do Plenário 20 de Setembro, após o primeiro projeto ser votado os parlamentares retiraram o quórum para que o PL 82 seja reformulado pelo governo.
Voltando a Praça, a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer comunicou que a secretária-adjunta de Educação, Iara Wortmann entrou em contato para marcar uma reunião, para falar sobre o projeto, a expectativa é que o CPERS continue com o seu representante no Conselho do FUNDEB. Helenir agradeceu a presença de cada um e informou que logo o CPERS estará divulgando no site da entidade as informações sobre a reunião com a secretária-adjunta que deve ocorrer nesta quinta-feira (21). “Esperamos que retornemos ter o nosso assento garantido no Conselho Estadual do FUNDEB. Acho que é importante a nossa fiscalização. Continuamos na luta”, afirma Helenir.

Deixe seu comentário