• Home  /
  • destaque   /
  • ”O Brasil vai parar dia 30 para barrar reformas de Temer”, avisam centrais em protesto no Aeroporto de Porto Alegre

”O Brasil vai parar dia 30 para barrar reformas de Temer”, avisam centrais em protesto no Aeroporto de Porto Alegre

A mobilização contra as reformas da Previdência e Trabalhista começou novamente na madrugada em Porto Alegre. Desde as 5h, a CUT-RS e centrais sindicais realizaram, nesta terça-feira (27), novo protesto no saguão de embarque do Aeroporto Internacional Salgado Filho, avisando que o Brasil vai parar na greve geral de 30 de junho para barrar essas reformas e exigir Fora Temer e Diretas Já.
Estiveram presentes várias federações e sindicatos filiados à CUT, representando categorias como metalúrgicos, sapateiros, aeroviários, rodoviários, professores, bancários, servidores públicos e trabalhadores da alimentação, dentre outros, além de dirigentes das centrais.

Ato no Aeroporto 27061

A atividade faz parte da estratégia de pressionar deputados e senadores, no horário em que muitos deles costumam viajar para Brasília, para que se posicionem e votem contra essas propostas perversas do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB), agora oficialmente acusado de corrupção passiva pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
“Avisamos que o Brasil vai parar na próxima sexta-feira para enterrar essas reformas e apontar que a saída para a crise é a realização de eleições diretas já”, afirmou o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo.

Ato no Aerroporto 2706-2

Parar o Brasil para impedir as reformas

Claudir alertou deputados, senadores, passageiros e trabalhadores das empresas aéreas para a crueldade dessas propostas do governo golpista do Temer, em tramitação acelerada no Congresso Nacional. A votação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado está prevista para ocorrer nesta quarta-feira (28).
“Temos que reagir e tomar as ruas para impedir essas reformas, que atacam conquistas históricas de trabalhadores e trabalhadoras”, ressaltou.
Para o diretor da CUT-RS, Marcelo Carlini, “fica evidente que a crise do governo Temer se aprofunda rapidamente, resultado direto da resistência dos trabalhadores às reformas da Previdência e trabalhista. No Aeroporto recebemos o apoio de diversas pessoas preocupadas com a situação do Brasil e a votação dessas reformas”.

 

Deixe seu comentário

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.