• Home  /
  • destaque   /
  • CPERS apoia a luta dos professores e estudantes da Escola Técnica de Saúde contra a realocação imposta por Sartori

CPERS apoia a luta dos professores e estudantes da Escola Técnica de Saúde contra a realocação imposta por Sartori

Na manhã desta terça-feira (19), professores e estudantes da Escola Técnica Estadual de Saúde do hospital das Clínicas, de Porto Alegre, realizaram uma caminhada até a Secretaria Estadual de Educação – Seduc, em protesto contra a realocação da instituição, imposta por Sartori. O governo quer transferir a escola para algumas salas do Colégio Júlio de Castilhos, o Julinho, a pedido do hospital de Clínicas, que justifica a solicitação para a ampliação das obras do hospital.  A realocação, considerando a estrutura da escola, é inviável.
Atualmente, a instituição possui 1.561 metros quadrados e atende a pelo menos 1,2 mil alunos de diversas regiões do Estado nos cursos de Nutrição, Radiologia, Gerência em Saúde e Análises Clínicas. Os estudantes utilizam 16 salas de aula e seis laboratórios, divididos em dois andares.
Em visita ao Julinho, a direção da escola constatou que as salas de aula disponibilizadas não comportam a realocação da estrutura da instituição. “Não tem condições de levarmos a tubulação de gás, equipamentos dos laboratórios, aparelhos de raio-X. Achávamos que o governo iria defender a nossa permanência, afinal a escola foi um investimento público. Para nós, é decepcionante a postura do governo. Estamos correndo o risco de ficar sem a única escola pública da área da saúde no Rio Grande do Sul. Em nosso processo seletivo, realizado recentemente, temos 2.400 alunos inscritos. Nossos alunos estão apreensivos e inseguros, sem saber como será o próximo ano. Como o governo pode simplesmente ceder um prédio público com toda a estrutura que oferecemos, assim?”, desabafa a diretora da escola técnica, Rita Mombelli.
Os diretores Rosane Zan, Edson Garcia e Daniel Damiani, representando a Direção Central do CPERS, acompanharam todo o protesto e levaram o apoio do Sindicato a justa luta dos docentes e estudantes da escola. “O Sindicato apoia a justa luta dos professores e estudantes desta escola, que é referência na área da saúde. O governo Sartori quer acabar com a educação pública do Estado em todas as áreas. Precisamos, cada vez mais, nos unir para impedir que esses ataques continuem. Vamos dizer não ao desmonte da escola pública”, afirmaram os diretores.

Fotos: Isadora Neumann

Foto capa: Patrícia Araujo Cardon

 

Deixe seu comentário