• Home  /
  • destaque   /
  • Ato em São Borja marca passagem da Caravana em Defesa da Escola Pública

Ato em São Borja marca passagem da Caravana em Defesa da Escola Pública

Ao lado de estudantes da Unipampa e bolsistas do Pibid, educadores(as) e integrantes da Caravana do CPERS realizaram um ato de protesto pela região central de São Borja. Ao término, afixaram em frente à 35ª Coordenadoria Regional da Educação cartazes denunciando os gastos do governo Sartori com publicidade, os recursos não arrecadados por conta de isenções fiscais e o reajuste zero a educadores(as).  A caminhada no fim da tarde marcou a passagem da Caravana em Defesa da Escola Pública pelo município da fronteira oeste, nesta segunda-feira (6).

As notícias de que o congelamento do Orçamento Federal imposto pela PEC 55 resultará no corte de bolsas e no fim do Pibid levaram discentes da Unipampa a se unirem à maifestação. Tatiana Fraga, 22 anos, cursa Licenciatura em Ciências Humanas e vê ameaçado o plano de lecionar na rede estadual. “As pautas em discussão hoje me afetam duramente, tanto como estudante como futura profissional. Acredito no fortalecimento da educação básica, é a única forma de construir um país melhor”, afirmou.

O primeiro dia da quarta semana da jornada de diálogo com a base em todos os 42 Núcleos do CPERS também contou com visitas a treze instituições de ensino, incluindo duas escolas do campo. A Caravana critica o desmonte do Estado e os ataques ao funcionalismo, além de apontar os(as) candidatos(as) que representam a continuidade do projeto de Sartori.


O debate proposto às comunidades escolares considera a atual conjuntura como um ataque coordenado à educação pública e ao Estado de bem estar social, articulado nacionalmente e potencializado no RS por Sartori. “O projeto em andamento destrói o futuro dos estudantes. Ou nos movimentamos e votamos direito nesse ano eleitoral ou vão acabar com a escola pública no estado e no país”, explicou o diretor Daniel Damiani.

A presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, acredita ser um dever da categoria tomar a frente da discussão e envolver pais e alunos. “Somos educadores, temos a obrigação de pesquisar e informar. A nós não cabe a desculpa do não conhecimento. Vamos barrar Sartori e seus aliados”, disse.

Para o funcionário do Instituto Estadual Arneldo Matter, Vagner da Cruz Druzian, 49 anos, os(as) educadores(as) precisam compreender os movimentos do governo para combatê-lo. “A política salarial e de desvalorização faz com que alguns colegas se desmotivem e se acomodem. A intenção de quem está no poder é deslocar o pensamento do objetivo de dar aulas para as contas atrasadas. Assim, justifica novos ataques contra a categoria perante a sociedade. Precisamos dar o nosso melhor dentro da escola mesmo com a precarização”, ponderou Vagner.

Nesta terça-feira (7), a Caravana em Defesa da Escola Pública e Contra o Desmonte do Estado desembarca em Santiago (29º Núcleo). Santa Maria (2º Núcleo) e Cachoeira do Sul (6º Núcleo) completam a quarta semana do roteiro.

Confira o itinerário completo até setembro.

Confira a galeria de fotos:

16º Núcleo Caravana CPERS – 06/08/18 – São Borja

Deixe seu comentário