Às 10h, na Praça da Matriz

Nesta quarta-feira (20) o governador, José Ivo Sartori (PMDB), apresentou ao presidente ilegítimo, Michel Temer, um cronograma de ações para que o Rio Grande do Sul possa aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). No documento, o Estado promete cumprir todos os requisitos legais exigidos para adesão ao acordo.
Mas o acordo à adesão poderá ser assinado somente após o Projeto de Lei Complementar – PLC 249, em tramitação na Assembleia Legislativa, ser aprovado.
O CPERS conclama todos professores (as) e funcionários (as) de escola para participarem da Vigília Unificada dos Servidores Públicos, na Praça da Matriz, sexta-feira (22), às 10 horas para barrar o PLC 249. “A adesão ao Regime de Recuperação Fiscal representa o congelamento de nossos salários e investimentos no serviço público. Por isso, nesta sexta-feira nosso lugar é na nossa Vigília pressionando os deputados. Não podemos permitir mais esse ataque deste desgoverno em nossos direitos.”, afirma a presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer.

Consequências se o projeto for aprovado
Se o PLC 249 for aprovado, serão congelados os investimentos nas áreas essenciais à população, educação, saúde e segurança; o arrocho salarial será estendido até 2023, a dívida do Estado com a União aumentará em R$ 30 bilhões, além de imposição da privatização a empresas como CEEE, CRM, Sulgás e Corsan. Ou seja, o governo irá entregar estatais, penalizar ainda mais os servidores e precarizar, de forma mais cruel, os serviços oferecidos à população, principalmente a mais carente.

Deixe seu comentário